rss

Comentários do Secretário de Estado Rex Tillerson sobre a Coreia do Norte no Conselho de Segurança da ONU

English English, العربية العربية, Français Français, हिन्दी हिन्दी, Русский Русский, Español Español, اردو اردو, 中文 (中国) 中文 (中国), Indonesian Indonesian

Comentários do Secretário de Estado Rex Tillerson sobre a Coreia do Norte no Conselho de Segurança da ONU
15 de dezembro de 2017

 

 

Boa tarde, agradeço a oportunidade para me pronunciar hoje. Representando os Estados Unidos, quero agradecer ao Japão, e ao ministro das Relações Exteriores Kono, por haver convocado esta sessão ministerial sobre a ameaça crescente da Coreia do Norte.

Ao assumir o cargo, o Presidente Trump identificou a Coreia do Norte como a maior ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. Esse juízo continua sendo correto hoje.

Depois do lançamento do seu míssil balístico intercontinental (ICBM) no dia 29 de novembro, o governo da Coreia do Norte afirmou que possui, agora, a capacidade de alcançar qualquer localidade dentro dos Estados Unidos continentais. As capacidades crescentes da Coreia do Norte representam uma ameaça direta à nossa segurança e à segurança do mundo como um todo. Nós não consideramos essa, uma ameaça vazia.

A continuação dos lançamentos de mísseis e das atividades de testes ilegais pelo regime da Coreia do Norte demonstra seu desprezo pelos Estados Unidos, pelos seus vizinhos na Ásia, e por todos os membros da ONU.

Frente a esse tipo de ameaça, a falta de ação de qualquer nação é inaceitável. Este órgão assumiu a liderança ao condenar os programas ilegais, nucleares e de mísseis, da Coreia do Norte e ao impor consequências por meio de uma série de resoluções robustas do Conselho de Segurança. A comunidade internacional se mantém firme na decisão de não aceitar a Coreia do Norte como um Estado nuclear.

Cada Estado-membro da ONU deve implantar, de forma completa, todas as resoluções do Conselho de Segurança da ONU. A indecisão das nações que não o fizeram, ou daquelas que estão implantando as resoluções do Conselho de Segurança muito vagarosamente, colocam em dúvida o seu voto, como um compromisso apenas com as palavras, mas não com a ação. Eu exorto os países que não tomaram as medidas cabíveis, que considerem seus interesses, sua lealdade e seus princípios em relação a essa grave ameaça mundial.

Acreditamos que, além da implantação das exigências mínimas das resoluções do Conselho de Segurança – que visam a República Democrática Popular da Coreia (DPRK) ¬– poderia ser feito mais. Na última primavera, os Estado Unidos deram início a uma campanha de pressão pacífica com sanções econômicas e diplomáticas contra a Coreia do Norte, com o objetivo de estabelecer as condições para que a Coreia do Norte se engaje em negociações sérias visando o desmantelamento completo, verificável e irreversível dos seus programas de armas nucleares. Hoje, nossa determinação em continuar essa campanha é ainda maior.

Durante o ano passado, muitos dos aliados e parceiros dos Estados Unidos uniram-se à nossa campanha, indo além da simples obediência às resoluções do Conselho de Segurança. Pedimos que essas nações continuem a aumentar a pressão por meio de ação unilateral. Isso isolará ainda mais a Coreia do Norte, política e economicamente, cortando o apoio e os investimentos nos seus programas ilegais, nucleares e de mísseis.

Nós clamamos, especialmente, para que a Rússia e a China aumentem a pressão, inclusive indo além da implantação completa das resoluções do Conselho de Segurança. Continuar permitindo que os trabalhadores norte-coreanos labutem em condições semelhantes à escravidão, dentro da Rússia, em troca de salários utilizados para financiar os programas de armas nucleares, põe em dúvida a dedicação da Rússia como um parceiro na paz. Da mesma forma, enquanto o petróleo chinês fluir para as refinarias norte-coreanas, os Estados Unidos questionarão o compromisso da China na solução do problema, que tem implicações sérias de segurança para os seus próprios cidadãos.

Recentemente, o regime da Coreia do Norte tem tentado mostrar que as sanções da ONU são prejudiciais para mulheres e crianças. Mas, esse é um regime que, de modo hipócrita, gasta bilhões nos seus programas nucleares e de mísseis balísticos, enquanto o seu próprio povo sofre na miséria. O regime poderia alimentar e cuidar das mulheres, crianças e das pessoas comuns da Coreia do Norte, se colocasse o bem-estar do seu povo à frente do desenvolvimento de armas. A DPRK tem opções: ela pode reverter o curso, desistir dos programas ilegais de armas nucleares, e unir-se à comunidade de nações; ou pode continuar a condenar o seu povo à miséria e isolamento. O regime com sede em Pyongyang é o responsável absoluto pelo bem-estar do seu povo.

A Coreia do Norte alega que o programa de armas nucleares é um item essencial para a sobrevivência do regime. Ao optar por isso, a Coreia do Norte se tornou menos segura e sua economia ficou ainda mais isolada e desconectada da economia mundial.

Queremos deixar claro que, para defesa da nossa nação, todas as opções permanecem sobre a mesa. Mas, que nós não buscamos, nem desejamos uma guerra com a Coreia do Norte. Os Estados Unidos tomarão todas as medidas necessárias para se defender da agressão da Coreia do Norte, mas, a nossa esperança continua sendo uma solução produzida pela diplomacia. Como eu disse anteriormente, esta semana, é preciso ocorrer a cessação sustentada do comportamento ameaçador da Coreia do Norte, antes que o diálogo tenha início. Exceto por esse aspecto, não existem condições prévias para o diálogo, e nós não aceitaremos nenhuma condição prévia estabelecida pela Coreia do Norte ou por outros.

Hoje, a nossa mensagem é a mesma que esse órgão ouviu anteriormente, e que continuaremos a repetir: os Estados Unidos não permitirão que o regime com sede em Pyongyang mantenha o mundo refém. Continuaremos a responsabilizar a Coreia do Norte por seu comportamento imprudente e ameaçador, hoje e no futuro. Nós solicitamos que todas as nações que estão aqui juntem-se a nós, no exercício de nossa soberania, para proteger as nossas populações. Solicitamos que se juntem ao esforço unificado para alcançar a desnuclearização completa e verificável da Península da Coreia. Muito grato.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.