rss

Secretário de Estado Mike Pompeo no Dia das Relações Exteriores do Departamento de Estado

English English, العربية العربية, Français Français, हिन्दी हिन्दी, Русский Русский, Español Español, اردو اردو

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Escritório da Porta-Voz
Para divulgação imediata
Discurso
4 de maio de 2018
Auditório Dean Acheson
Washington DC.

 

 

SUBSECRETÁRIO DE ESTADO SHANNON: Senhoras e senhores, bem-vindos e boa tarde. É um imenso prazer ver todos vocês novamente. Vocês tiveram um dia cheio, e espero que as suas discussões tenham sido produtivas e tenham permitido um bom debate sobre os muitos desafios e oportunidades que a diplomacia americana enfrenta. Agora vocês terão a oportunidade de ver e ouvir o nosso novo secretário de Estado, Mike Pompeo.

O secretário Pompeo é um excelente funcionário público, tendo sido oficial do Exército e membro da Câmara dos Deputados, e era, até recentemente, diretor da CIA (Agência Central de Inteligência). Ele é um homem de grande capacidade intelectual, profundo conhecedor das questões internacionais, e de caráter firme. Ele não perdeu tempo para começar a atuar como Secretário de Estado, e viajou, assim que foi confirmado no cargo e empossado, para a reunião de ministros da NATO em Bruxelas, e em seguida para a Arábia Saudita, Israel e Jordânia. Ele voltou a tempo para o Dia das Relações Exteriores. (Risadas e aplausos.) E para encontrar todos vocês.

Senhoras e senhores, juntem-se a mim para dar as boas-vindas ao 70o secretário de Estado, Mike Pompeo. (Aplausos.)

SECRETÁRIO POMPEO: Obrigado. Muito obrigado. Fiz a conta enquanto estava esperando aqui. Temos 12.000 anos de experiência nesta sala. (Risadas.)

E devo dizer que é uma honra estar aqui com vocês hoje. Este é o 53º Dia das Relações Exteriores. Sei que falo por todos neste prédio quando digo que somos gratos pelo serviço que vocês prestam ao país e pelos muitos sacrifícios que vocês e suas famílias fizeram ao longo do caminho.

O presidente Eisenhower – tenho a tendência de citar pessoas de Kansas – e ele é alguém de Kansas que admiro muito – disse uma vez que quando os colegas do Departamento de Estado se reúnem, parece mais uma “reunião de família” do que qualquer outra coisa. Pelo que já pude ver, a descrição é perfeita. Tive uma recepção incrivelmente calorosa no meu primeiro dia. A equipe tem sido maravilhosa. Minha esposa brincou, dizendo que esperava que aquele não fosse meu ponto máximo de popularidade. (Risadas.) Existe sempre esse risco. E continua sendo verdade. Quando eu vinha pelo corredor, notei que ainda preciso de ajuda para achar o caminho aqui no prédio.

Quero agradecer algumas pessoas que tornaram o dia de hoje possível. Nossos generosos copatrocinadores, a American Foreign Service Association, DACOR, e a Senior Living Foundation do Serviço Diplomático dos Estados Unidos. Obrigado por tornarem isto possível e pelo seu constante apoio à nossa equipe. (Aplausos.)

Gostaria também de agradecer – aliás, parabenizar, algumas pessoas muito especiais. Quero parabenizar os premiados: o ganhador do Troféu do Serviço Diplomático da DACOR, embaixador Henry Allen Holmes. (Aplausos.) Obrigado, embaixador, por servir à nossa comunidade tanto dentro quanto fora do governo, e por dedicar sua vida a preparar a próxima geração de líderes da nossa equipe. Estamos também orgulhosos hoje de homenagear os ganhadores do Troféu de Serviços Civis do Diretor Geral e Troféu do Serviço Diplomático – Richard Greene e a embaixadora Kristie Kenney. (Aplausos.)

Vocês todos tiveram um dia longo, mas este dia é uma verdadeira oportunidade, uma oportunidade de rever – de pensar no sucesso que já tivemos em construir um grupo forte – e em como construímos um corpo diplomático diversificado e forte com os melhores profissionais de relações exteriores do mundo. Mas é também uma oportunidade de pensarmos no futuro, e a minha primeira semana de trabalho trata principalmente do futuro, não do passado. Temos diante de nós muitos desafios, vocês todos sabem disso. E apesar de eu ser novo aqui, e de esta ser a minha primeira semana, gostaria de dizer o que penso do rumo que estamos tomando, e falar do meu compromisso com vocês e com a nossa equipe de Serviço Diplomático e Civil.

Antes de mais nada, a boa notícia é que apesar de eu estar aqui há pouco tempo, já conheço a coragem, o patriotismo, a natureza e o caráter e a dedicação de vocês e dos seus colegas. Lembro-me de viagens que fiz como membro do Congresso durante as quais vi funcionários do Serviço Diplomático colocando suas vidas em segundo plano a qualquer hora do dia e da noite, trabalhando nos finais de semana para nos ajudar a aproveitar ao máximo a nossa visita. E sei que continuaram trabalhando depois que fomos embora, também.

Uma coisa que aprendi rapidamente foi que os heróis do Departamento de Estado geralmente fazem seu trabalho nos bastidores, em situações difíceis em todo o mundo. Por isso, muito antes de eu erguer minha mão direita e fazer o juramento de posse, o Departamento de Estado já havia me prestado serviços incrivelmente bem. E é de fato uma grande honra ser agora parte deste grupo.

Vivemos momentos turbulentos. É necessário ter uma liderança forte. É essencial que a nossa equipe faça isso e combata as ameaças que enfrentamos com coragem e vigor. Sei que todos vocês fizeram isso; sei que a nossa equipe fará isso daqui para frente.

Felizmente, temos um presidente que acredita em um diplomacia robusta também, que utilize os instrumentos da força nacional para promover, antes de mais nada, os valores e interesses americanos essenciais.

Uma diplomacia eficaz e com uma perspectiva visionária aumenta as nossas chances de solucionar problemas pacificamente, sem disparar sequer um tiro.

Nossa política estrangeira, também, tem que ser pragmática e manter sua integridade – e suficientemente ágil para se adaptar a novas situações, mas ancorada em ideais e valores fundamentais que são a base – são a base da história da nossa nação. Vi o compromisso e a força do nosso país com respeito a esses ideais quando era um jovem oficial da cavalaria. Tom mencionou o período em que servi no Exército. Liderei tropas que patrulharam a fronteira entre a liberdade e o comunismo na Alemanha Oriental – na época a fronteira entre a Tchecoslováquia e a Alemanha Oriental. Hoje a força do mundo – o mundo precisa ainda mais daqueles ideais e daquela força.

Temos que continuar a missão centenária de defender a liberdade, independência e dignidade humana em todo o mundo e tendo como prioridade manter nosso país e nosso povo em segurança.

Naquela época, lembro que estávamos preparados para um conflito sobre a Cortina de Ferro, mas foi uma diplomacia executada durante meses e anos e, de fato, décadas, que evitou que eu e meu pelotão de tanques tivéssemos que entrar em combate.

Isso acontece em todos os cantos do planeta hoje. Homens e mulheres do Departamento de Estado e da USAID estão defendendo os interesses dos Estados Unidos. É fundamental enfrentar os desafios, que são muitos. Minha missão é contribuir para que todos os membros da nossa equipe atinjam esse objetivo.

Existem atualmente muitos lugares – e vocês já ouviram falar de alguns deles – há um imenso esforço diplomático para continuar pressionando a Coreia do Norte e conseguir que entre em negociações, para que possamos eliminar a ameaça do arsenal nuclear de Kim Jong-un.

O mesmo acontece com os nossos aliados na Europa. Passei meus primeiros dias lá – na verdade, as minhas primeiras horas. É uma benção termos tantos aliados e em relacionamentos tão sólidos. Existem, claro, momentos e pontos difíceis em que discordamos. Mas esses países possuem valores e interesses semelhantes aos nossos, e estamos todos engajados no mesmo esforço para garantir a prosperidade para que os nossos países progridam.

De lá viajei para o Oriente Médio. Precisamos de esforços diplomáticos fortes lá também para evitar a atuação desestabilizadora do Irã na Síria, no Iémen, e em toda a região. Temos que enfrentar a ameaça do terrorismo jihadista e de locais onde a governança é fraca. Esses são desafios imensos, mas tenho certeza que a nossa equipe poderá desenvolver estratégias e uma presença diplomática capaz de solucioná-los.

Nós geralmente falamos pouco sobre a América Latina, mas ao testemunharmos a destruição de um país que já foi próspero e democrático e situado tão perto de nós, precisamos também abordar essa situação com diplomacia. Um ditador hoje na Venezuela arrasa sua economia e faz seu povo passar fome. Precisamos de um Departamento de Estado e de uma USAID fortes para ajudar os milhões de venezuelanos que estão fugindo do regime corrupto como resultado de uma crise que não teve nenhuma causa natural.

E finalmente, precisamos que os nossos diplomatas e profissionais de relações exteriores que trabalham no mundo todo promovam a dignidade de todos os seres humanos para que vivam livremente e concretizem todo seu potencial.

Muita coisa mudou nos 53 anos desde a primeira vez em que essa cerimônia foi realizada. Mas sei que uma coisa que nunca mudou foi o caráter das pessoas que trabalham na diplomacia dos Estados Unidos. Os homens e as mulheres deste departamento e das agências representadas sempre foram chamados a realizar coisas extraordinárias. Coisas extraordinárias que ecoam através dessas paredes e deixaram suas marcas ao longo da história do nosso grande país. Essa equipe respondeu à revolução iraniana de 1979; e organizou uma importante reunião em Reiquiavique em 1986; criamos uma coalizão de parceiros durante a primeira Guerra do Golfo; e já falei sobre a reunificação da Alemanha, ajudando uma Europa Oriental e Central que acabara de conquistar sua liberdade. E faremos muito mais história. Tenho certeza disso. E isso será resultado da dedicação de homens e mulheres que fui escolhido para liderar.

Gostaria de agradecer a todos aqui hoje por me ajudarem a escrever essa história. Esta é uma instituição notável. Encontrei alguns dos nossos funcionários nesta primeira semana. Posso dizer que vocês os prepararam bem. Ao longo das próximas semanas e meses, estarei aberto a ouvir as suas ideias, à contribuição do seu conhecimento, e sei que juntos podemos realizar coisas extraordinárias para o nosso país.

Hoje é também um dia especial porque temos a chance de recordar e homenagear o sacrifício dos americanos que moram e trabalham no exterior representando os Estados Unidos.

Depois do meu discurso, terei o privilégio de participar de uma cerimônia em memória dos que perderam a vida servindo o nosso país. Em particular, vamos homenagear o serviço de um homem e de uma mulher que fizeram o sacrifício máximo servindo os Estados Unidos no exterior. Nosso país tem com eles e com suas famílias uma grande dívida de gratidão. Vamos recordá-los e recordar o grande sacrifício que a nossa equipe faz todos os dias para defender os interesses dos Estados Unidos e proteger o nosso país.

Foi um grande prazer realizar essa reunião na minha primeira semana no cargo. Não posso imaginar um começo melhor para meu trabalho neste cargo. Obrigado a todos pelo serviço que prestam e, por favor, mantenham-se em contato comigo. Muito obrigado e Deus os abençoe. (Aplausos.)


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.