rss

Secretário de Estado Michael R. Pompeo com Christina Londono, da Telemundo

English English, Русский Русский, Español Español, Français Français

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete da Porta-Voz
Para Divulgação Imediata
Entrevista
22 de fevereiro de 2019

 

PERGUNTA: Secretário, obrigada por estar aqui com a gente. Todos os olhos hoje estão nas fronteiras da Venezuela. O regime de Maduro não vai deixar a ajuda entrar – é o que eles estão dizendo. Quando a paciência dos EUA acabará e como isso seria? (Em espanhol.) Intervenção militar?

SECRETÁRIO POMPEO: Christina, obrigado por me receber. Amanhã é um grande dia, 23 de fevereiro. Os Estados Unidos e alguns outros países forneceram uma enorme quantidade de assistência humanitária destinada ao povo venezuelano, que enfrenta uma crise terrível. Quando você vê a fome, quando você vê a inflação, quando você vê a ausência de cuidados médicos, isso quebra seu coração. O povo americano respondeu com uma quantidade enorme de ajuda que agora está posicionada próxima da Venezuela. E amanhã, junto com o, a convite do presidente Guaido, trabalharemos para levar essa ajuda às pessoas que tão desesperadamente precisam dela.

Você disse que o regime de Maduro indicou que eles não vão permitir isso. Nós ouvimos essas declarações também. Eu realmente espero que o regime de Maduro esteja ouvindo, que eles permitam que o povo venezuelano receba comida – quero dizer, é uma loucura estar falando sobre um governo, um líder que negaria comida e assistência médica para seu próprio povo. Espero que ele mude de ideia. Espero que ele permita que isso avance. É uma necessidade desesperadora que agora o mundo quer suprir. Se ele não deixar, acho que o povo venezuelano acabará decidindo o que fazer.

PERGUNTA: Se ele provocar o povo, vocês estão prontos para intervir? Os EUA estão prontos para defender o povo venezuelano de seu próprio governo se algo acontecer? (Em espanhol.)

SECRETÁRIO POMPEO: Nós falamos sobre o fato de que todas as opções estão na mesa, mas estamos muito esperançosos de que o povo e os militares venezuelanos venham a entender que os dias de Maduro já se foram, que o regime que criou essas condições não deveria ser permitido continuar a infligir esse tipo de dor e desespero no povo venezuelano, tanto desespero que 10% da população venezuelana decidiu deixar o país. Esta é uma nação rica, que tem uma história longa e maravilhosa, e, com a liderança certa, pode ser assim novamente. Portanto, minha esperança mais fervorosa é que o povo venezuelano resolva isso sem violência, com uma solução política que faça o povo venezuelano ter o que merece: uma nação livre e democrática a caminho da recuperação econômica com toda a liberdade que os venezuelanos merecem.

PERGUNTA: Mas você não está pronto para dar a eles um ultimato ou um prazo – com isso acontecendo, vamos tomar outras medidas?

SECRETÁRIO POMPEO: Uma das coisas sobre as quais o governo Trump tem sido muito claro é que não mostramos nossa mão. Nós não dizemos aos outros o que podemos fazer. Mas acho que o regime Maduro sabe bem que a América está comprometida em apoiar o presidente Guaido e a vontade popular do povo venezuelano, e vamos ser duros, não só hoje e amanhã, quando essa ajuda começa a atravessar as fronteiras, mas nos próximos dias, semanas e meses. Este é um objetivo que definimos para ajudar o povo venezuelano a ter sucesso e estamos determinados a alcançar esse resultado.

PERGUNTA: Se você está indo contra esses regimes que não são democráticos, muitos nicaraguenses e cubanos estão perguntando: “Você vai nos ajudar em seguida?” (Em espanhol.)

SECRETÁRIO POMPEO: Sim, o governo do presidente Trump fez isso e continuará a fazê-lo não apenas na Venezuela, mas também na Nicarágua e em Cuba. E você vê isso. Você vê isso nas políticas. Eles são muito diferentes do governo anterior. Eles reconhecem que esses governos estão tratando o povo com severidade, criando riscos reais, riscos de segurança para as pessoas, riscos à privacidade, negando-lhes liberdades básicas. E isso não é o tipo de coisa que deveria acontecer no hemisfério ocidental, e os Estados Unidos, sob o comando do presidente Trump, estão trabalhando diligentemente não apenas na Venezuela, mas também nesses dois países para obter bons resultados para essas pessoas. As pessoas precisam liderar esses esforços. Estou convencido de que eles estão determinados a fazer isso também. O povo americano irá apoiá-los.

PERGUNTA: Então haverá um efeito dominó?

SECRETÁRIO POMPEO: Espero que cada um desses países, que os cidadãos desses países entendam que o jugo de autoritarismo que lhes foi imposto não é necessário, que a corrupção desses regimes não é necessária, que o mau comportamento e a dificuldade de viver, as condições em que essas pessoas se encontram hoje não são necessárias, que elas podem ter uma vida diferente e que contribuirão com seus esforços, sua boa vontade e sua humanidade para alcançar uma situação política melhor, tanto na Venezuela quanto na Nicarágua e em Cuba também.

PERGUNTA: Última pergunta: México. Eu não podia deixar de fora. Eles não estão pagando pelo muro. Ainda há caravanas de imigrantes chegando. Ainda não vimos o novo presidente, Andres Manuel López Obrador, aqui nos Estados Unidos. O relacionamento  –  o relacionamento é tenso? Existem problemas com o México? (Em espanhol.)

SECRETÁRIO POMPEO: Eu acho que o relacionamento entre os dois líderes é ótimo. Sei que eles tiveram várias chamadas telefônicas. Eu falo com o ministro de Relações Exteriores Ebrard com grande frequência, e nós temos um relacionamento maravilhoso. Existem claramente discordâncias na política. Nós gostaríamos que eles fizessem mais para nos ajudar na Venezuela. Achamos que é do interesse do México fazer isso também. E então você destacou outras áreas. O presidente Trump deixou inequivocamente claro que vê a fronteira como uma ameaça à segurança nacional, e a crise humanitária decorrente disso é real. Estamos trabalhando com o governo mexicano. Eu me encontrei várias vezes com o ministro das Relações Exteriores Ebrard para ter certeza de que entendemos as políticas uns dos outros e como podemos executá-las ao longo da fronteira. Mas há tantas coisas em que os Estados Unidos e o México trabalham juntos. Temos um acordo comercial que foi desenvolvido – esperamos que entre em vigor até o fim deste ano. Muitas coisas boas estão acontecendo entre os Estados Unidos e o México. Eles são um vizinho, um aliado e um país em que dediquei muito tempo e energia para desenvolver um bom relacionamento, e estou confiante de que isso continuará.

PERGUNTA: Você está pressionando por mais cooperação do México? (Em espanhol.)

SECRETÁRIO POMPEO: Eu sempre quero mais cooperação de todos com quem trabalho. Sim, e tenho certeza de que há coisas que eles gostariam que fizéssemos, e estamos trabalhando para garantir que também ajudaremos em prol do povo americano.

Obrigado.

PERGUNTA: Secretário, foi um prazer. Muito obrigada.

SECRETÁRIO POMPEO: Foi ótimo te ver.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.