rss

Vice-secretário de Estado, John J. Sullivan, Administrador da USAID, Mark Green, e Especialistas sobre a Proposta de Orçamento do Presidente para o Ano Fiscal de 2020 para o Departamento de Estado e a USAID

English English, हिन्दी हिन्दी, اردو اردو, Français Français, Español Español, Русский Русский

DEPARTAMENTO DE ESTADO DOS ESTADOS UNIDOS
Gabinete da Porta-Voz
Para Divulgação Imediata                       
11 de março de 2019
SESSÃO INFORMATIVA On-The-Record

 

PALLADINO:Obrigado. Obrigado a todos por terem vindo hoje e se juntarem a nós para a apresentação da proposta de orçamento do Ano Fiscal 2020 do Presidente, tanto para o Departamento de Estado quanto para a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional. Estou contente de passar a palavra ao Vice-secretário de Estado, John J. Sullivan, e ao Administrador da USAID, Mark Green, para comentários iniciais. Na conclusão, convidaremos alguns especialistas no assunto para responder algumas perguntas de vocês. 

Obrigado. Vice-secretário Sullivan. 

VICE-SECRETÁRIO SULLIVAN: Obrigado, Robert, por essa introdução, e quero agradecer a meu amigo e colega Administrador da USAID, embaixador Mark Green, por se juntar a mim aqui hoje para apresentar a proposta de orçamento do Ano Fiscal 2020 para o Departamento de Estado e a USAID. 

Antes de começarmos, quero dizer em nome do Departamento de Estado que queremos estender nossas mais profundas condolências às famílias e entes queridos daqueles que morreram no trágico acidente do voo 302 da Ethiopian Airlines. Havia um número de cidadãos americanos nesse voo, pessoas que trabalhavam para as Nações Unidas, organizações afiliadas às Nações Unidas, amigos, colegas e parceiros nossos. É realmente um momento extremamente triste e trágico para nós e nossos colegas em Addis e Nairóbi e Washington estão trabalhando arduamente para fornecer toda a assistência consular adequada que pudermos às famílias das vítimas neste momento difícil. 

Sobre a questão de hoje, o pedido de orçamento do presidente para o Ano Fiscal 2020 é de US$ 40 bilhões para o Departamento de Estado e a USAID. Com esse nível de financiamento, protegeremos nossos cidadãos em casa e no exterior, promoveremos a prosperidade e os valores americanos e apoiaremos nossos aliados e parceiros no exterior. 

O Departamento de Estado e a USAID estão na linha de frente da política externa e das questões de segurança nacional mais urgentes que nosso país enfrenta hoje. Os funcionários de ambas as agências estão trabalhando muito duro todos os dias para proteger a liberdade americana; responsabilizar a China e a Rússia como membros de um sistema internacional baseado em regras; apoiar o povo da Venezuela enquanto eles trabalham para uma restauração pacífica da democracia em seu país; impedir que surtos de doenças infecciosas atinjam nossas fronteiras; ajudar os países a se tornarem parceiros econômicos e de segurança autossuficientes; e muito mais. 

Com tudo isso em jogo, precisamos que todos os nossos colegas – toda a nossa equipe – estejam seguros, preparados e prontos para enfrentar novos desafios a qualquer momento. Manter os cidadãos seguros e protegidos exige vigilância constante e recursos adequados. 

Nosso pedido de orçamento para o ano fiscal de 2020 prioriza a segurança de nossa equipe de assistência diplomática e estrangeira no exterior. Protege os chefes de missão das ameaças emergentes e investe em instalações seguras e funcionais. Isso permitirá que tanto o Departamento de Estado quanto a USAID recrutem, sustentem e treinem nossa força de trabalho diplomática e de desenvolvimento global. Nossas agências estão desenvolvendo novas competências para o século 21. 

Juntos, com tantos objetivos críticos para avançar em nome do povo americano, o Departamento de Estado e a USAID precisam de recursos para programas de assistência diplomática e estrangeira. O orçamento do Ano Fiscal de 2020 engloba esses recursos e deixa a política externa dos EUA pronta para avançar para o futuro. Nossa proposta é guiado pelo princípio de que os dólares dos contribuintes devem ser usados ​​com sabedoria. Queremos maximizar o investimento feito pelo povo americano e entregar resultados excepcionais em seu nome. 

O presidente Trump deixou claro que a assistência estrangeira dos EUA deve servir ao interesse nacional dos EUA e deve apoiar os países que nos ajudam a avançar nossas metas de política externa. Este orçamento mantém um suporte crítico para importantes aliados dos EUA, incluindo Israel, Jordânia, Egito e Colômbia. Através de financiamento estratégico e programação, este orçamento posiciona os Estados Unidos para vencer. Isso significa garantir que nossa nação esteja totalmente engajada em regiões do mundo das quais dependem nossa segurança nacional e prosperidade futura. 

Nos últimos anos, vimos a China aplicando proativamente seu poder para exercer sua influência na região do Indo-Pacífico e além. Sob a liderança do presidente Trump, os Estados Unidos tomaram medidas decisivas para responder às ações agressivas da China. Reconhecemos que o futuro da segurança, da prosperidade e da liderança dos Estados Unidos dependem de que uma região do Indo-Pacífico fique livre, aberta e segura. Para fazer avançar a estratégia do Indo-Pacífico, a proposta de orçamento quase dobra o envolvimento diplomático de recursos e a ajuda externa dos EUA na região. 

Nossa solicitação de orçamento também é guiada pela constatação de que as ameaças impostas pela Rússia evoluíram além das ameaças externas ou militares e agora incluem operações de influência no próprio coração da América e do mundo ocidental. Este orçamento prioriza o combate à influência maligna russa na Europa, Eurásia e Ásia Central. 

Enquanto falamos aqui, o povo da Venezuela continua a lutar por sua liberdade diante de um líder tirânico e corrupto que se recusa a renunciar. A proposta de orçamento para o Ano Fiscal 2020 inclui financiamento para apoiar a democracia na Venezuela e oferece a flexibilidade para disponibilizar mais fundos para apoiar uma transição democrática, incluindo até US$ 500 milhões em transferência de autoridade. 

No ano passado, os Estados Unidos estiveram à frente nos esforços globais para ajudar minorias religiosas e étnicas perseguidas no Oriente Médio e em outros lugares. Em uma viagem ao Iraque no outono passado, experimentei em primeira mão o impacto positivo desse tipo de assistência e o que ela tem feito nessas comunidades devastadas. Trabalhando com atores locais e líderes comunitários, nossos programas de assistência limpam os restos explosivos de guerra para ajudar a manter as famílias seguras, restaurar o acesso a serviços como saúde e educação, melhorar as oportunidades econômicas e muito mais. Mas há muito mais trabalho a ser feito. 

O orçamento para o Ano Fiscal 2020 apoia um aumento em nossos esforços para fortalecer as minorias religiosas e étnicas, incluindo a solicitação de fundos para novas oportunidades entre diferentes comunidades carentes e a liderança contínua dos EUA para promover a liberdade religiosa global. 

Além disso, nossa proposta de orçamento para o Ano Fiscal 2020 inclui um Fundo de Progresso Diplomático para que possamos efetivamente responder às novas oportunidades decorrentes do progresso diplomático e da paz e às necessidades emergentes do contra-Irã. 

Os desafios diplomáticos que enfrentamos hoje são particularmente difíceis devido aos rápidos e contínuos avanços em mídia e tecnologia. Nossos recursos humanos e estruturas organizacionais devem acompanhar essas mudanças. O orçamento do Ano Fiscal 2020 financia totalmente os níveis atuais de força de trabalho do Departamento de Estado e da USAID, permitindo que a gente enfrente desafios políticos emergentes. 

A prioridade que damos à segurança e proteção vai além das instalações físicas para nossas redes e dados. A proposta de orçamento busca fortalecer os sistemas de TI do Departamento de Estado e da USAID, priorizando os aprimoramentos da segurança cibernética. 

E, por falar em ameaças à nossa pátria, há poucos esforços tão importantes para este governo e para a segurança e proteção do povo americano do que a segurança de nossas fronteiras. A proposta de orçamento do Departamento de Estado e da USAID apoiará a segurança nas fronteiras dos EUA, fortalecendo a avaliação de vistos; mirando nos caminhos ilícitos que as organizações criminosas transnacionais estão usando para traficar drogas, dinheiro, armas e até seres humanos do Hemisfério Ocidental; e melhorar a governança e impulsionar as economias locais para desencorajar a imigração ilegal. 

Nossa proposta de orçamento para o Fiscal 2020 também protege contra ameaças de doenças infecciosas, reforçando a capacidade do país de prevenir, detectar e responder a quaisquer surtos futuros e evitar epidemias. Esses esforços significam manter nosso lugar como líder global em assistência à saúde. Com este orçamento, os Estados Unidos continuarão sendo o maior doador individual para os esforços globais de combate ao HIV/AIDS. 

Várias outras adições importantes à proposta de orçamento do Ano Fiscal 2020 aumentarão o envolvimento do setor privado no desenvolvimento global, otimizarão nossa assistência humanitária e farão avançar os países parceiros em sua jornada rumo à autossuficiência. Meu colega, o administrador da USAID, embaixador Mark Green, apresentará esses elementos vitais da proposta de orçamento para 2020 em breve. 

Através de todos esses esforços e mais, nosso orçamento promove os interesses americanos, enquanto continua o legado de nosso país como um símbolo da liberdade para o mundo. A proposta de orçamento do Presidente para o Ano Fiscal 2020 define o sucesso de nossas agências e de nosso país, e eu agradeço a oportunidade de apresentá-lo a todos vocês esta tarde. 

Mais uma vez, obrigado por se juntarem a nós e agora passo a palavra para o embaixador Mark Green. 

GREEN: Obrigado, Vice-secretário Sullivan. John definiu bem, penso eu, algumas prioridades compartilhadas pela USAID e o Departamento de Estado, então, vou tentar ser relativamente breve. Mas gostaria de começar me unindo a ele e expressar nossa tristeza pelas muitas vidas perdidas no acidente de ontem da Ethiopian Airlines. Como foi mencionado, penso que incluiu pelo menos oito cidadãos dos EUA, bem como vários membros de organizações parceiras da USAID. Como muitos de vocês sabem, eu tenho uma profunda gratidão e admiração pelos muitos heróis do trabalho humanitário, e essa rota e esse voo em particular foram usados ​​regularmente por organizações humanitárias e de desenvolvimento na região. Pessoas que trabalham todos os dias para salvar vidas e tornar o mundo um pouco melhor, apesar dos riscos. Nossos corações vão para todos aqueles que perderam seus entes queridos e nossos pensamentos e orações estão com eles durante este período difícil. 

Dito isso, passo agora para o assunto mais mundano do orçamento. 

Embora fiscalmente conservador, acredito que a proposta de orçamento apoiará nossa meta de avançar os países em sua jornada para a autossuficiência. O objetivo é ajudar os países parceiros a criar competência para que possam, eventualmente, enfrentar seus próprios desafios de desenvolvimento. 

Ao apoiar nossas ferramentas com o objetivo de reduzir o alcance de conflitos, espalhar – ou impedir a disseminação de doenças pandêmicas e contrabalançar os fatores causadores de violência, instabilidade e outras ameaças à segurança –, esse orçamento reforçará a segurança nacional dos EUA. 

O orçamento também fortalece a liderança econômica dos EUA, apoiando nossos investimentos que expandem os mercados para os produtos americanos, nivelando o campo de atuação das empresas americanas, bem como apoiando sociedades mais estáveis, mais resilientes e mais democráticas. 

Como muitos de vocês notaram nos últimos meses, muitas partes do mundo viram um crescimento exponencial do financiamento predatório que apareceu com o disfarce da assistência estrangeira. 

Esse orçamento apoia os esforços da USAID para comunicar agressivamente as grandes diferenças entre as ferramentas de financiamento autoritário e a abordagem que nós e nossos países doadores aliados utilizamos. Nossa abordagem é a verdadeira assistência. Ajuda as nações parceiras a construírem sua própria autossuficiência e um futuro mais dinâmico e voltado para a iniciativa privada. Ela incentiva a reforma para estimular a iniciativa privada e os mercados livres, atrair investimentos e, mais uma vez, fomentar a autossuficiência. 

Também pretendemos ajudar os países parceiros a reconhecer os custos de modelos alternativos, como os da China e da Rússia. A abordagem deles procura enfraquecer a confiança nos sistemas democráticos e de livre mercado, deixa os países com dívidas insustentáveis, levar à perda de recursos estratégicos e promover as ambições militaristas desses atores autoritários. Nas próximas semanas, revelaremos uma estrutura que usaremos para ajudar a combater a influência maligna do Kremlin, especialmente na Europa e na Eurásia e na Ásia Central, e esse orçamento apoia esse trabalho. 

Nossos esforços nesse sentido serão facilitados, à medida que a nova corporação de financiamento ao desenvolvimento for criada no fim do ano. 

Também ficará mais claro à medida que o governo Trump acelera nossas parcerias no Indo-Pacífico. Concordo firmemente com o Vice-secretário que nossa segurança e prosperidade em casa estão intimamente ligadas a uma região do Indo-Pacífico estável e livre. Trabalhando com o Departamento de Estado e outros, nossos investimentos estratégicos promoverão uma governança aberta, transparente e responsiva aos cidadãos em toda a região do Indo-Pacífico. 

Uma terceira maneira de contrastar fortemente nossa abordagem é através dos esforços do governo para promover o crescimento econômico inclusivo, especialmente no que se refere à participação econômica total de mulheres em todo o mundo. A Estratégia de Segurança Nacional identifica claramente o empoderamento das mulheres como uma prioridade integral para a prosperidade econômica e a estabilidade global. No mês passado, o presidente assinou um memorando de segurança presidencial que liga decisivamente a capacidade das mulheres de participar plena e livremente na economia com mais paz e prosperidade em todo o mundo. 

Também lançamos oficialmente a Iniciativa de Desenvolvimento Global e Prosperidade das Mulheres, conhecida como WGDP, que visa capacitar economicamente 50 milhões de mulheres nos países em desenvolvimento até 2025. O fundo da WGDP, estabelecido na USAID, incluiu um compromisso inicial de US$ 50 milhões US$ 50 milhões dos EUA a partir do ano fiscal de 2018. O apoio está sendo dobrado nesta proposta orçamentária para US$ 100 milhões para o fundo apoiar o desenvolvimento da força de trabalho e treinamento de habilidades, maior acesso ao capital e mudanças no ambiente propício para que, em todo o mundo, as mulheres tenham a oportunidade de alcançar seu pleno potencial econômico.  

Como todos sabem, a USAID não é apenas nossa agência líder em assistência ao desenvolvimento, mas também somos conhecidos em todo o mundo por nossa assistência humanitária e resposta a crises. Os EUA continuarão com seu papel de líder mundial em assistência humanitária, mas também pediremos a outros que façam sua parte e trabalharemos incessantemente para garantir que a assistência seja prestada da maneira mais eficaz e eficiente possível. 

A consolidação do nosso programa de assistência humanitária no exterior, dentro da nossa nova Secretaria de Assistência Humanitária, apoia o compromisso do governo de otimizar os investimentos humanitários, alavancando os pontos fortes tanto do Estado quanto da USAID. 

Em nenhum outro lugar, a liderança da América na assistência humanitária é mais importante ou, francamente, mais oportuna do que em nossa resposta contínua à crise provocada pelo homem e pelo regime na Venezuela. O Departamento de Estado e a USAID estão empenhados em fornecer apoio às pessoas afetadas pela atual crise humanitária. Nós também estamos dedicados a apoiar uma futura transição democrática para o povo da Venezuela. Nós prometemos ficar com eles enquanto lutam por um governo que represente seus interesses e responda às suas necessidades. 

Este orçamento amplia significativamente nossos investimentos em outro tipo de liberdade – como o Vice-secretário mencionou, a liberdade religiosa. Em particular, continuaremos nossa importante assistência às minorias religiosas e étnicas no Oriente Médio que o ISIS procurou extinguir. 

Finalmente, o orçamento para 2020 alinha-se estreitamente e apoia a implementação da iniciativa ou transformação da reforma interna da USAID. Isso nos permitirá fortalecer nossos recursos básicos, aumentar nossa eficiência e, em última análise, reduzir custos. Estamos criando uma agência que é capaz de alavancar nossa influência, autoridade e recursos disponíveis para transformar a forma como a assistência humanitária e de desenvolvimento é fornecida. E, ao lado do resto do mundo, trabalharemos com afinco e força para enfrentar os desafios assustadores que todos enfrentamos. 

Embora o financiamento generosamente fornecido pelo Congresso nunca seja suficiente para atender a todas as demandas e necessidades do mundo, garantiremos que a USAID continue sendo a principal agência de desenvolvimento internacional do mundo e continue o trabalho que fazemos todos os dias para proteger a segurança e a prosperidade futuras dos EUA. 

E obrigado pela honra de poder estar com vocês hoje. Obrigado. 


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.