rss

Secretário de Estado Michael R. Pompeo Pronunciamento para a Imprensa

Español Español, English English, العربية العربية, Français Français, Русский Русский, اردو اردو, हिन्दी हिन्दी

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete da Porta-Voz
Para Dilvulgação Imediata
PRONUNCIAMENTO
8 de abril de 2019

Sala de Imprensa
Washington, D.C.

SECRETÁRIO POMPEO: Bom dia. Estou aqui para fazer um anúncio importante de política externa referente à República Islâmica do Irã. Hoje os Estados Unidos continuam a solidificar sua pressão máxima contra o regime iraniano. Quero anunciar nossa intenção de designar o Exército de Guardiães da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), incluindo sua Força Quds, como uma organização terrorista estrangeira (FTO, na sigla em inglês), de acordo com a Seção 219 da Lei de Imigração e Nacionalidade. Esta designação entrará daqui a uma semana.

Esta é a primeira vez que os Estados Unidos designam uma parte de outro governo como FTO. Estamos fazendo isso porque o uso do terrorismo pelo regime iraniano como ferramenta de governo o torna fundamentalmente diferente de qualquer outro governo. Este passo histórico privará o principal patrocinador estatal de terror do mundo de meios financeiros para espalhar a miséria e a morte em todo o mundo.

Empresas e bancos em todo o mundo têm agora o dever claro de garantir que as empresas com as quais fazem transações financeiras não estejam conectadas ao IRGC de nenhuma maneira relevante. Também oferece ao governo dos EUA ferramentas adicionais para combater o terrorismo apoiado pelo Irã.
Essa designação é uma resposta direta a um regime fora da lei e não surpreende ninguém, a decisão se baseia nos mais de 970 indivíduos e entidades iranianos que o governo Trump já sancionou.

Por 40 anos, o Exército de Guardiães da Revolução Islâmica se envolveu ativamente no terrorismo e criou, apoiou e dirigiu outros grupos terroristas. O IRGC se disfarça como uma organização militar legítima, mas nenhum de nós deve se enganar. Ela viola regularmente as leis do conflito armado; planeja, organiza e executa campanhas de terror em todo o mundo. A partir do momento em que foi fundada, o mandato do IRGC era defender e exportar a revolução do regime por todos os meios possíveis. O IRGC institucionalizou o terrorismo logo após seu início, direcionando terríveis ataques contra o quartel dos Fuzileiros Navais em Beirute em 1983 e o anexo da embaixada dos EUA em 1984 ao lado do grupo terrorista que o sequestrou, o Hezbollah libanês. Seus agentes trabalharam para desestabilizar o Oriente Médio do Iraque ao Líbano, da Síria e ao Iêmen.

Com essa designação, o governo Trump está simplesmente reconhecendo uma realidade básica. O IRGC tomará seu lugar de direito na mesma lista que os grupos terroristas que ele apoia: o Hezbollah libanês, a Jihad Islâmica palestina, o Hamas e o Kata’ib Hezbollah, entre outros, todos já designados como organizações terroristas estrangeiras.
A longa lista de incidentes terroristas apoiados pelo IRGC é uma grande justificativa para a decisão de hoje. Gostaria de apenas citar alguns exemplos.

Em setembro passado, um tribunal federal nos Estados Unidos considerou o Irã e o IRGC responsáveis pelo atentado a bomba de 1996 nas Torres Khobar Towers, que matou 19 militares norte-americanos. Em 2011, os Estados Unidos frustraram uma conspiração da Força Quds do IRGC, aqui em Washington D.C., para bombardear um restaurante. Eles tentaram matar o embaixador saudita para os Estados Unidos.

Fora dos Estados Unidos, a campanha de terror do IRGC é igualmente ativa. Em 2012, quatro agentes da Força Qods foram detidos após conspirar para atacar alvos israelenses na Turquia. Naquele mesmo ano, dois outros agentes da Força Qods foram presos no Quênia por planejar um ataque a bomba, enquanto a Força Qods também dirigiu um ataque a bomba que visava diplomatas israelenses. E, recentemente, em janeiro de 2018, as autoridades alemãs descobriram 10 suspeitos de agentes operacionais da Força Quds ativos em seu país. O IRGC apoia grupos terroristas palestinos que têm como alvos civis inocentes e ajudou a criar grupos terroristas designados pelos EUA, tanto no Líbano quanto no Irã. E o IRGC também apoia o regime assassino de Assad que gasta e abate seu próprio povo.

Nossa designação deixa claro para o mundo que o regime iraniano não apenas apoia grupos terroristas, mas também participa do terrorismo. Essa designação também traz uma pressão sem precedentes sobre as figuras que lideram a campanha de terrorismo do regime, pessoas como Qasem Soleimani. Ele é o comandante da Força Quds e supervisiona as forças do Irã para promover a Revolução Islâmica através do terrorismo e outras formas de violência. Ele distribui os lucros do regime para grupos terroristas em toda a região e no resto do mundo.

O sangue dos 603 soldados americanos que o regime iraniano descobriu ter matado no Iraque está em suas mãos e nas mãos do IRGC de forma mais ampla. Inexplicavelmente, o regime não enfrentou qualquer responsabilidade da comunidade internacional por essas mortes. Longe de ser um ataque arbitrário ao Irã, nossa campanha de pressão impõe consequências justas e tardias para a atividade maligna do regime.

Não devemos esquecer também o papel central do IRGC no conto artístico nacional e na corrupção dos líderes do regime que eles perpetram contra seu próprio povo. Outros governos e o setor privado verão agora com mais clareza até que ponto o IRGC se envolveu na economia iraniana por meios lícitos e ilícitos.

Apenas em julho passado, a prefeitura de Teerã anunciou que a Fundação Cooperativa do IRGC, que administra os investimentos do IRGC, desviou mais de US$ 1 bilhão da cidade de Teerã. No mês seguinte, um ex-vereador acusou o prefeito de Teerã de contratar diretores para o IRGC. Não é coincidência que o prefeito também serviu anteriormente como comandante do IRGC e chefe da polícia estadual do Irã. Em 2017, o Teerã prendeu vários comandantes do IRGC envolvidos com o Fundo Cooperativo por corrupção, incluindo o arquiteto financeiro do IRGC, Masoud Mehrdadi.

E há também o antigo colega de faculdade de Mahmoud Ahmedinejad, Sadeq Mahsouli. Eles o chamam de “general bilionário”. Ele deixou de ser um oficial de baixo escalão do IRGC para se tornar um dos homens mais ricos do Irã, tudo graças a contratos de construção e petróleo de empresas vinculadas ao IRGC.

Os líderes do Irã são extorsionário, não revolucionários. O povo iraniano merece mais do que ser governado por esse quadro de funcionários hipócritas e corruptos. Eles são oportunistas.
E, em uma nota final, o IRGC também é responsável por deter indevidamente pessoas dos EUA, várias das quais permanecem em cativeiro no Irã. O povo americano deve saber que estamos trabalhando diligentemente para trazer cada um desses indivíduos para casa.

Com essa designação, estamos enviando um sinal claro, uma mensagem clara aos líderes do Irã, incluindo Qasem Soleimani e sua gangue de bandidos, de que os Estados Unidos estão pressionando para impedir o comportamento ilegal do regime. Pedimos que nossos aliados e parceiros em todo o mundo façam o mesmo. Obrigado.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.