rss

Avançando a Campanha de Pressão Máxima dos Estados Unidos sobre o Irã

English English, العربية العربية, Français Français, हिन्दी हिन्दी, Русский Русский, اردو اردو

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete da Porta-Voz
Para Divulgação Imediata
Informativo
22 de abril de 2019


Os Estados Unidos não concedem Exceções de Redução Significativa aos atuais importadores de petróleo iraniano. Pressão máxima significa pressão máxima.

  • O Secretário Pompeo anunciou sua decisão de não conceder Exceções de Redução Significativa aos atuais importadores de petróleo iraniano.
  • Como o Secretário disse, pressão máxima significa pressão máxima. Estamos cumprindo nossa promessa de zerar as exportações de petróleo do Irã e negar ao regime a receita necessária para financiar o terrorismo e as guerras violentas no exterior.
  • A segmentação das exportações de petróleo do Irã é fundamental porque ela tem sido historicamente a maior fonte de renda do regime e esse dinheiro é usado para apoiar representantes terroristas, bancar o desenvolvimento de mísseis e engajar o país em outros comportamentos desestabilizadores.
  • Entidades que se envolvem em atividades sancionáveis ​​envolvendo o Irã podem sofrer consequências graves. Essas consequências podem incluir perda de acesso ao sistema financeiro dos EUA e da capacidade de fazer negócios com os Estados Unidos ou empresas dos EUA.
  • Os Estados Unidos continuarão a exercer pressão máxima sobre o regime iraniano até que seus líderes mudem o comportamento destrutivo, respeitem os direitos de seu povo e retornem à mesa de negociações.

O Governo Trump impôs as sanções mais duras de todos os tempos ao regime iraniano. Nossa pressão está funcionando.

  • O anúncio de hoje baseia-se no nosso sucesso, que já é histórico.
  • As exportações de petróleo do Irã despencaram devido à nossa pressão. Desde que o Presidente Trump anunciou que deixaríamos de participar do acordo nuclear em maio de 2018, mais de 1,5 milhão de barris de petróleo iraniano foram retirados do mercado, reduzindo a receita do regime em bilhões de dólares.
  • No geral, estimamos que nossas sanções tenham negado ao regime acesso direto a mais de US$ 10 bilhões em receita de petróleo desde maio. É uma perda de pelo menos US$ 30 milhões por dia, e é relacionada apenas ao petróleo.
  • Em março, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, pediu publicamente doações pela primeira vez na história. Ele foi forçado a tomar medidas inéditas porque o dinheiro do Irã não está fluindo como antes, graças à nossa pressão sem precedentes.
  • Representantes iranianos na Síria e em outros lugares estão enfrentando falta de financiamento de Teerã. Combatentes não estão sendo remunerados e os serviços que antes dependiam do regime iraniano estão secando.

Os mercados de petróleo estão atualmente bem supridos.

  • Os mercados petrolíferos estão bem abastecidos e os níveis de estoque de petróleo são sazonalmente fortes.
  • Países produtores de petróleo, como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, se comprometeral a aumentar a produção de petróleo para compensar as reduções nas exportações de petróleo iraniano.
  • O aumento da produção de petróleo não-OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os níveis suficientes de armazenamento mostram que o ajuste para substituir as exportações de petróleo iraniano foi bem-sucedido.
  • Os Estados Unidos e outros produtores de petróleo não-OPEP já aumentaram a produção e substituíram as exportações iranianas, enquanto outros grandes produtores sinalizaram aos mercados a disposição e a capacidade de aumentar a produção para compensar reduções adicionais iranianas.
  • A produção não-OPEP, liderada pelos Estados Unidos, deverá se expandir em até 2,2 milhões de barris por dia em 2019 e 2020, de acordo com a Administração de Informações sobre Energia (EIA, na sigla em inglês) do Departamento de Energia dos EUA.
  • Nos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), incluindo os Estados Unidos, os estoques de petróleo permanecem acima da média dos últimos cinco anos, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE).

Os Estados Unidos estão aumentando a produção e as exportações de petróleo.

  • A EIA informou que a produção norte-americana de petróleo e outros líquidos atingiu em média 17 milhões de barris por dia durante o primeiro trimestre de 2019, tornando os Estados Unidos o maior produtor de petróleo e gás natural. Essa produção atende mais de 19% da produção global.
  • Estima-se que a produção de petróleo bruto dos EUA tenha atingido 12 milhões de barris por dia em março, um aumento de 1,6 milhão de barris por dia em comparação com um ano atrás.
  • A EIA prevê que a produção de petróleo nos EUA aumente 1,4 milhão de barris por dia no próximo ano.
  • As exportações de petróleo bruto dos EUA em janeiro de 2019 alcançaram 2.575 milhões de barris por dia, um aumento de mais de 1,2 milhão de barris por dia ou 90% em relação ao ano anterior, de acordo com a EIA. As exportações dos EUA ajudam os mercados a funcionarem de maneira eficiente.
  • A IEA projeta que as exportações dos EUA aumentarão radicalmente até 2021, e os Estados Unidos se tornarão o segundo maior exportador de petróleo e derivados, com cerca de 9 milhões de barris por dia, na frente da Rússia e quase empatados com a Arábia Saudita.
  • Os EUA continuam em consultas fechadas e produtivas com grandes produtores de petróleo, bem como com grandes organizações consumidoras de petróleo, como a Agência Internacional de Energia, que trabalha para assegurar que o mercado global de petróleo esteja bem abastecido.

Os Estados Unidos estão aumentando Rapidamente a Produção de Petróleo

A produção de petróleo dos EUA chegará a ter quase 4 milhões de barris a mais por dia de 2017 a 2020.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.