rss

Secretário Michael R. Pompeo e o presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado, em conferência de imprensa

English English, Español Español

Observações
Michael R. Pompeo, secretário de Estado
21 de janeiro de 2020

 

MODERADOR: (Via intérprete) Boa tarde.  Gostaríamos de dar as boas-vindas à casa do Presidente na Costa Rica, sua excelência o Secretário de Estado dos Estados Unidos da América, o senhor Pompeo e sua delegação.  Também saudamos o Presidente, o senhor Carlos Alvarado Quesada, os ministros e embaixadores e a mídia em ambos os países.  Bem-vindos à Costa Rica.

Ouviremos a mensagem do Presidente, Sr. Carlos Alvarado Quesada, que nos dará um resumo das questões discutidas na reunião bilateral com o Secretário de Estado, Michael Pompeo.

PRESIDENTE ALVARADO: (Via intérprete) Boa tarde.  Boa tarde, Sr. Secretário.  Bem-vindo.  Bem-vindo à Costa Rica, embaixador Kozak, bem como a embaixadora Day, os membros da delegação e amigos ilustres.  Tivemos uma conversa muito positiva.  Somos países muito próximos uns dos outros.  Trabalhamos juntos em muitas questões.  Somos democracias consolidadas e temos um diálogo que tem a ver com valores e respeito que nós também temos uns pelos outros como duas das mais sólidas democracias nas Américas.

Discutimos várias questões na nossa agenda bilateral entre os dois países.  Um que eu acho que é uma preocupação muito grande para os costarriquenhos tem a ver com as recomendações emitidas pelos Departamentos de Estado para os turistas na Costa Rica.  Nós fomos rebaixados de número um para número dois, e discutimos isso com o Secretário Pompeo, e gostaria de agradecê-lo por ter sido tão aberto para discutir isso.  E ele nos disse que está pronto para voltar a esta questão, que é o ranking, que é essencial para nós na Costa Rica.  E eu realmente gostaria de expressar nossa profunda gratidão por isso.

Além disso, o ranking da Costa Rica na FAA, a Administração Federal de Aviação – tivemos quatro encontros com a embaixada dos EUA e as autoridades da Costa Rica.  Nós corrigimos os problemas que foram mencionados e estamos prontos para receber a auditoria para recuperar nosso ranking.  Nós também pedimos que esta auditoria seja realizada o mais rapidamente possível para que possamos recuperar a nossa posição no setor da aviação.

Analisamos nosso programa de segurança conjunto e vimos os resultados.  Eles são muito positivos.  Entre 2018 e 2019, graças à nossa cooperação conjunta, vimos um aumento importante na apreensão de cocaína e maconha.  E isso é algo que o Secretário analisará durante a sua visita, e queremos continuar os nossos esforços no setor de segurança e no trabalho conjunto.  Os resultados tem sido bem-sucedidos, e gostaríamos de lhe agradecer pela cooperação neste esforço conjunto.

Ambos os países têm enfatizado seu compromisso com a democracia e as instituições democráticas, e especialmente dada a situação do regime nicaraguense que violou não apenas os direitos humanos, mas também a liberdade de imprensa, a liberdade de reunião dos cidadãos nicaraguenses.  Muitos deles tiveram que fugir para o nosso país.  E nos casos da Nicarágua e da Venezuela, mostramos nosso compromisso de encontrar soluções democráticas para esses países, países onde não existe democracia, mas sim um regime opressivo que fere os cidadãos dessas nações.

Gostaríamos também de expressar a nossa profunda gratidão pela nossa conversa em relação à adesão da Costa Rica à OCDE.  Sabemos que estamos nas últimas fases de um processo em que temos de continuar trabalhando para concluí-lo, mas qualquer apoio que possamos dar é realmente muito – podemos obter é muito importante.  Também ressaltamos o trabalho feito pela embaixadora, Sharon Day, uma aliada muito forte da Costa Rica.  Agradecemos o seu trabalho.

E, senhor secretário, gostaríamos de agradecer-lhe pela confiança e franqueza em nosso diálogo e sua receptividade para cooperar com a Costa Rica.  Você é sempre bem-vindo.  Você sempre estará seguro em nosso país, em nossa pátria que lhe recebe hoje.

MODERADOR: (Via intérprete) Obrigado, senhor presidente Carlos Alvarado Quesada.  Ouviremos agora as palavras do Secretário de Estado dos Estados Unidos da América, senhor Michael Pompeo.

SECRETÁRIO POMPEO:  Obrigado.  Buenas tardes.  Senhor presidente, muito obrigado por me receber aqui hoje.  Você e sua equipe têm sido incrivelmente gentis.  É um prazer vir para a Costa Rica na minha primeira viagem de 2020.  Nosso governo tornou a aproximação com nossos amigos no Hemisfério Ocidental uma prioridade real e, de fato, realmente não há melhor amigo dos Estados Unidos da América do que a Costa Rica.  O seu país tem feito um grande trabalho no apoio aos direitos humanos, ao Estado de Direito, à democracia.  Isso solidifica a nossa relação.  Você é um incrível defensor da liberdade em nossa região.

Começamos nossa conversa falando sobre o AC/DC e boa música, liberdades e valores compartilhados que nossos dois países têm.  E essa amizade está ficando mais forte.  [Isso] ficou claro na minha conversa de hoje com o presidente Alvarado.  No centro de nossas conversas estava a liderança da Costa Rica em enfrentar o regime de Maduro, que afundou a Venezuela na repressão e na pobreza.  A Costa Rica é membro fundador do Grupo de Lima e um grande defensor do Tratado do Rio, ambos elementos importantes que, esperamos, possam entregar ao povo venezuelano a democracia que tanto merecem.  De fato, você foi o primeiro país a reconhecer Juan Guaidó em janeiro de 2019.

A Costa Rica também tem sido uma parte modelo da OEA, uma instituição que tanto fez pela prosperidade, segurança e liberdade sob liderança do Secretário-Geral Almagro.  O presidente Alvarado e eu concordamos que ele merece ser reeleito.  Obrigado, senhor presidente, pelos seus esforços a este respeito.  Como disse a toda a Assembleia da OEA em Washington na sexta-feira, o multilateralismo que funciona nos proporciona a probabilidade de alcançarmos a visão compartilhada que todos temos para este hemisfério de liberdade.

Olha, existem alguns casos anômalos de autoritários nesta região.  A Nicarágua é um deles.  Hoje, os Estados Unidos insistem que o regime de Ortega, na Nicarágua, cesse a repressão, restaure as liberdades civis básicas e apoie eleições livres e justas.  Os Estados Unidos estão fazendo valer suas palavras ao agir junto com nossos parceiros para pressionar o regime.  Estamos responsabilizando aqueles que violam os direitos humanos básicos, como fizemos no ano passado, quando sancionamos vários altos funcionários de Ortega e seus familiares.

Também estamos fornecendo ajuda humanitária para o povo da Nicarágua e da Venezuela que estão fugindo dessa tirania.  E hoje, eu vou conversar diretamente com algumas das dezenas de milhares de nicaraguenses que encontraram segurança aqui na Costa Rica.

Obrigado, senhor presidente.  Obrigado por tão generosamente recebê-los.  Temos orgulho de ajudá-lo nisso.  Nós fornecemos US$ 13 milhões desde 2017 para ajudá-lo e para ajudar os requerentes de asilo e outras pessoas vulneráveis que viajaram para cá.  Continuaremos a trabalhar com pessoas amantes da liberdade em todo o mundo para obter uma resolução diplomática para crise no outro lado da sua fronteira.  Não se pode permitir que o regime na Nicarágua continue as suas graves violações humanitárias.

Também falamos sobre importantes laços econômicos.  Os Estados Unidos abordam a nossa relação econômica no espírito de parceria.  Esse é um forte contraste às pretenciosas promessas do governo chinês que frequentemente produzem dívidas, dependência e até mesmo a erosão da soberania de algumas nações.  Estávamos falando de todas as empresas: a IBM, Microsoft e Pfizer, dispositivos médicos que são feitos aqui.  Costa Rica tem feito um bom trabalho e está sendo recompensado por isso com bons empregos para o povo costa-riquenho, e vamos continuar apoiando as empresas americanas que fornecem investimento estrangeiro direto em seu país para ajudá-lo a crescer e criar prosperidade para a Costa Rica.

Por fim, quero elogiar a Costa Rica pelo trabalho que tem feito na sua luta contra as drogas.  O presidente Trump está comprometido em defender a América contra o veneno vendido por organizações criminosas transnacionais.  Ambos países estão mais seguros como resultado do grande trabalho que está sendo feito pela polícia da Costa Rica e seu país.

Presidente Alvarado, obrigado novamente por me receber aqui hoje.  Aplaudimos os esforços do seu governo e estamos ansiosos para continuar a nossa grande parceria e amizade no futuro.  Obrigado.

MODERADOR: (Via intérprete) Agora, vamos para as perguntas da mídia.  Começamos com uma primeira pergunta da imprensa costa-riquenha.  Alan Arroyo, representando colegas da Costa Rica, fará a primeira pergunta.

PERGUNTA: (Via intérprete) Boa tarde, senhor presidente, senhor secretário de Estado.

Para o presidente Alvarado. Você conversou sobre a crise na Venezuela e o papel que a Costa Rica poderia desempenhar?  Porque eu sei que esse é um dos objetivos do senhor Pompeo neste encontro.  Sabemos que ontem ele se reuniu com Juan Guaidó como parte das reuniões realizadas na Colômbia.  E gostaríamos que nos falasse sobre esse esforço para – e também falar sobre a promessa do senhor Pompeo de rever o ranking.  Ele pode fazer isso?  Ou será que ele tem que falar com outras agências nos EUA para que esses rankings do turismo e também da FAA sejam revertidas, senhor presidente?

PRESIDENTE ALVARADO (Via intérprete):  Obrigado pela pergunta.  Conversamos sobre ambas as questões, tanto a Nicarágua como a Venezuela, no contexto da nossa visão em termos de democracia e o respeito pelos direitos humanos.  É uma iniciativa em que estamos trabalhando desde o início do nosso governo, e nós indicamos violações aos direitos dos nicaraguenses e cidadãos venezuelanos e continuaremos a apontar o dedo para isso.

Nós precisamos respeitar as soluções encontradas pelos próprios nicaraguenses e venezuelanos.  Nós também denunciamos quando vemos que há violações contra a imprensa ou contra o povo.  E tanto os EUA quanto a Costa Rica têm trabalhado nisso.  Continuaremos nos esforçando para tentar assegurar eleições livres e justas com observadores internacionais e para que os cidadãos desses países são aqueles que podem voltar a um regime constitucional e democrático, que é o que queremos para a região.

MODERADOR: (Via intérprete) Outra pergunta da mídia dos EUA, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA.

SRA. ORTAGUS: (Inaudível) Kevin Cirilli, Bloomberg.

PERGUNTA: (Via intérprete) Obrigado a ambos.

(Em inglês.) A primeira pergunta (inaudível) sobre o tráfico.  Ambos mencionaram como a Organização dos Estados Americanos é crucial para combater o tráfico de drogas.  Eu gostaria de saber como a próxima eleição poderia impactar esse objetivo.  E, em segundo lugar, do ponto de vista econômico e financeiro, como a designação no que se refere ao turismo impactou sua economia aqui na Costa Rica?  Obrigado.

PRESIDENTE ALVARADO:  Qual foi a segunda pergunta, por favor?

PERGUNTA:  A designação do turismo de viagem, como isso impactou a economia da Costa Rica? Obrigado.

SECRETÁRIO POMPEO:  Devo ir primeiro?  Vá em frente.

PRESIDENTE ALVARADO:  En espanol, si?  (Risos.)

(Via intérprete.) A questão do ranking, a classificação, para nós não é tanto um impacto econômico direto.  Tem a ver com reputação, e nós falamos sobre isso porque um país tem feito um grande esforço para reduzir suas taxas de criminalidade.  Reduziu as taxas de homicídio nos últimos dois anos de forma consistente e ofereceu mais segurança aos três milhões de visitantes que tivemos.  A taxa de criminalidade que sofreram é zero virgula zero dois – 0,02. Pequenos crimes.  Não são atentados às suas vidas.  Então, isso tem a ver com reputação.

Nós não enfrentamos ameaças terroristas, e nós – agora que o ranking caiu, compartilhamos essa classificação com países que têm mais de 50 mortes por cem mil [habitantes], quando o nosso é de 11 em cada cem mil.  Portanto, tem a ver com reputação. É por isso que fizemos muito respeitosamente um pedido para que isso seja revisitado pelo secretário e sua equipe, dado que é tão importante para nós em termos de aliança, cooperação e parceria entre nossos dois países.

A relação entre a Costa Rica e os EUA é uma relação baseada no respeito mútuo e na amizade, e não é apenas uma relação entre governos, mas entre países, entre estados, e é uma relação histórica.  Começou em 1851 em setores como a segurança, que tem muitos pontos em comum.  Em outros, embora podemos não ter a mesma visão, mas entendemos como nos relacionar.  A questão da segurança é uma relação forte há algum tempo, e continuará forte nos próximos anos, porque é uma relação entre estados e é uma situação em que ambos países saem ganhando.

SECRETÁRIO POMPEO:  Então, nós vamos analisar isso.  Existe um processo dentro do Departamento de Estado.  Havia uma pergunta sobre como esta decisão é tomada.  Está dentro do Departamento de Estado com relação aos nossos avisos de viagem.  Vamos analisar.  Queremos ter certeza que vamos fazer a coisa certa.  Nós também vamos nos comunicar com eles e dizer, olha, aqui estão as coisas que – se pudermos mudar, se pudermos melhorar, este é o caminho para chegar ao lugar certo.

Meu segundo ponto sobre isso é que tivemos um milhão e meio mais americanos viajando para a Costa Rica no ano passado.  Estou confiante de que teremos um milhão e meio de americanos viajando novamente.  Espero que haja mais.  Eu sei que vocês também querem que haja mais.  Estou muito confiante de que as pessoas que estão vindo aqui – as pessoas que estão vindo aqui para turismo e lazer, pessoas que estão vindo aqui para fazer negócios – continuarão a fazê-lo.

O que procuramos fazer com o nosso aviso de viagem é apenas ter certeza que estamos compartilhando com o povo americano coisas que identificamos como preocupações.  Queremos sempre ter a certeza de que estamos fazendo a coisa certa.  É algo que avaliamos e revisamos constantemente.  Ele perguntou – o presidente perguntou se faríamos isso de novo, e certamente vamos fazê-lo aqui o mais rápido possível.

A segunda coisa que você perguntou foi sobre a OEA.  Essa eleição é muito importante.  Você perguntou sobre sua conexão com a nossa capacidade para reduzir o fluxo de narcóticos e drogas na região.  Para vocês que conhecem a história da OEA, vocês sabem que nem sempre essa organização foi funcional, bem-sucedida, produtiva, voltada para os valores pelas quais a Costa Rica é um excelente exemplo: o Estado de Direito, o respeito pela dignidade humana do seu povo.

Temos de garantir que a OEA continue sendo isso.  Estamos apoiando a reeleição do Secretário-Geral Almagro porque acreditamos que ele colocou a OEA em uma posição onde isso pode ser um sucesso – demonstração de uma organização multilateral bem-sucedida que leva aos resultados que importam para o povo da Costa Rica, dos Estados Unidos e de todos os membros da OEA.  Portanto, sim, esta eleição é muito importante e queremos garantir que a OEA continue sendo uma força para o bem e uma força que nos permita continuar a fazer este importante trabalho para combater o tráfico de drogas na região.

MODERADOR: (Via intérprete) Obrigado.  A próxima pergunta é da mídia costa-riquenha.  Laura Avelar.

PERGUNTA: (Via intérprete) Boa tarde, senhor presidente, senhor secretário.  O presidente Trump tem sido muito forte em relação à Venezuela, e os EUA adotaram sanções muito fortes.  As sanções econômicas serão impostas na Nicarágua?  Existem sanções contra pessoas específicas, mas haverá sanções contra a própria Nicarágua?  As caravanas de Honduras são uma prova de que a política de migração nos EUA está falhando, porque não trata das causas da migração.

SECRETÁRIO POMPEO:  Certo.  Eu nunca me antecipo a sanções específicas sobre o que planejamos fazer, então sua pergunta sobre sanções na Nicarágua é algo que avaliamos constantemente.  É importante saber: não impomos sanções simplesmente para impor sanções.  Fazemos isso quando acreditamos que [as sanções] podem criar o sistema de incentivo certo para que os regimes alimentados pelo dinheiro que vem dessas atividades ilícitas sejam negados esses recursos, dando ao povo daquele país a capacidade de ter as eleições e a democracia que sei que o povo nicaraguense [quer] – e em breve eu vou ouvir de alguns deles que tiveram que fugir para cá – para ajudá-los a chegar ao lugar certo.

Quanto à nossa política de migração, ainda há muito trabalho a fazer, com certeza.  Mas se você olhar para o conjunto de dados, se você olhar para todo o trabalho que tem sido feito nesses últimos três anos, estou muito confiante de que os esforços que fizemos com grandes parceiros na região como a Costa Rica, como o Governo mexicano, nós tivemos progresso real nisso.  Acho que temos isso precisamente correto.  Temos a obrigação de proteger a nossa fronteira sul.  Vamos continuar os nossos esforços para fazer isso.

MODERADOR: (Via intérprete) Agora, a última pergunta da mídia dos EUA pela porta-voz do Departamento de Estado.

SRA. ORTAGUS:  Jessica Donati, Wall Street Journal.

PERGUNTA:  Obrigado.  Senhor presidente, eu queria saber se você concorda com a política dos EUA de fazer com que os requerentes de asilo esperem em países terceiros no caminho para os EUA, e a Costa Rica está interessada em participar desses programas como um dos poucos países – Panamá foi mencionado; outros países do norte estão envolvidos – então eu queria saber qual a sua opinião sobre isso.

E para o senhor secretário, Maduro no The Washington Post ofereceu conversas diretas com os EUA e o governo Trump está aberto a conversas com o Irã, e está conversando com o Talibã.  Portanto, você está considerando a oferta feita por Maduro?

SECRETÁRIO POMPEO:  Vá em frente, senhor presidente.

MODERADOR:  Senor President Alvarado.

PRESIDENTE ALVARADO: (Inaudível) diferente porque nós somos um país que, principalmente, recebe migrantes, não um país que tem migrantes partindo da Costa Rica para outro país.  Então, nossa situação é completamente diferente nesse sentido.  Na verdade, isso não foi algo que foi necessariamente discutido como parte de nossa reunião, mas a nossa situação atual, na verdade, é tentar ter fundos suficientes e trabalhar juntos, também, porque nós acolhemos mais de meio milhão de pessoas, particularmente da Nicarágua.  Isso é 10 por cento das pessoas que estão na Costa Rica, e também mais de 80 mil refugiados. Por isso, a nossa situação é o que está realmente acontecendo dentro da Costa Rica e não o que estamos mandando para outro lugar.

MODERADOR: (Em espanhol.)

PERGUNTA:  Eu fiz essa pergunta porque, de fato, existem mais refugiados nicaraguenses atualmente na Costa Rica do que nos EUA.  Você está interessado em assinar um dos mesmos acordos para manter os requerentes de asilo aqui enquanto esperam por uma decisão, e você concorda com a política?

PRESIDENTE ALVARADO:  Não é o núcleo – atualmente, não é uma parte central da nossa política.

SECRETÁRIO POMPEO:  A sua pergunta sobre a declaração atribuída a Nicolas Maduro pela imprensa no outro dia – tem havido muitas conversas com Nicolas Maduro ao longo destes últimos meses.  Não houve nenhuma demonstração de que ele está disposto a permitir eleições presidenciais livres e abertas.  Avaliamos constantemente a nossa política; nosso objetivo final tem sido muito, muito claro.

Continuaremos ajustando a nossa política para acertar na estratégia, mas não vimos nenhuma evidência de que Maduro esteja remotamente interessado em ter eleições livres e justas.  Ele sabe que perderia.  Ele sabe que se houver eleições livres e justas, o povo venezuelano colocaria novamente o Juan Guaidó como o líder devidamente eleito na Venezuela.

As pessoas não querem que o Maduro seja um tirano.  Ele destruiu sua economia, ele criou uma das maiores crises humanitárias na história da América Central e do Sul, tudo isso sem uma guerra.  A devastação a que o povo da Venezuela está sendo submetido é enorme, e é responsabilidade de Nicolas Maduro.  E assim, quanto à nossa estratégia, a abordagem que vamos tomar, tenho certeza que vai mudar ao longo do tempo.  Mas nossa missão, nossa estratégia e nosso objetivo para o povo venezuelano nunca variarão.

MODERADOR: (Via intérprete) Muito Obrigado.  Gostaríamos de agradecer ao secretário de Estado e à sua delegação pela sua visita ao gabinete do presidente.  Gostaria de agradecer a todos, bem como à delegação da Costa Rica.  Agora o presidente está se despedindo do secretário, bem como do Ministério das Relações Exteriores.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.