rss

Altos Funcionários do Departamento de Estado Antevisão da Viagem do Secretário Pompeo à Alemanha, Senegal, Angola, Etiópia, Arábia Saudita e Omã

Français Français, English English

Gabinete da Porta-Voz
Para Divulgação Imediata
Conferência Background

 

Via Teleconferência

10 de fevereiro de 2020

TERCEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Boa tarde a todos. Que bom tê-los aqui ao telefone novamente para falarmos de mais uma viagem com o Secretário Pompeo. Esta conferência é, claro, sobre a nossa próxima viagem à Alemanha, a África e ao Médio Oriente. Somente para vossa referência e não para divulgação, teremos hoje aqui [Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado], que falará sobre os nossos objetivos em relação às passagens por  África. A partir deste momento, [Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado] será referenciado como Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado.

Temos igualmente aqui [Segundo Alto Funcionário do Departamento de Estado], que se dispõe a responder às vossas questões sobre a parte da viagem referente ao Médio Oriente. Daqui em diante, será referenciado como Segundo Alto Funcionário do Departamento de Estado.

Estarei aqui para responder a quaisquer questões que possam ter sobre a passagem do Secretário por  Munique, Alemanha, para a Conferência de Segurança de Munique. Podem referir-se a mim como Terceiro Alto Funcionário do Departamento de Estado. Mas, se tiverem alguma pergunta sobre Munique, devem colocá-la no início, pois terei de deixar a conferência um pouco mais cedo e [o Moderador], que está aqui comigo, assumirá a partir daí.

Podemos colocar um número limitado de questões nesta chamada. Então, para efeitos de eficácia, pedimo-vos – pedimos que entrem na fila de perguntas agora premindo 1 e depois  0, em vez de o fazerem no final das declarações inciais. Mais uma vez, esta chamada é de “background”. Os conteúdos estão embargados até  ao final da chamada.

Passo a palavra ao Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado, que começará a chamada com considerações iniciais e, após uma breve pausa, passaremos às vossas questões.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Muito obrigado. Boa tarde, boa noite, onde quer que estejam, desde Washington. Estou muito satisfeito por esta viagem que se aproxima, em que o Secretário visitará três países da África subsariana entre 15 e 19 de fevereiro. Alguns dos temas preponderantes de que faalremos aqui – o primeiro dos quais é, claro, o aumento do número de jovens em África. É o continente mais jovem. Como sabemos, a população de África duplicará entre o momento presente e 2050, e definitivamente desejamos empoderar essa juventude e certificarmo-nos de que será uma força para o crescimento dinâmico e empoderamento económico e melhor governação no mundo.

Outro tema é o crescimento económico, comércio e investimento com o continente. As taxas globais de crescimento económico em África são das mais altas do mundo, e os três países que o Secretário visitará apresentam resultados excecionais neste aspeto. Outro é que os países que o Secretário visitará contribuem para a estabilidade da região. Infelizmente, todos conhecemos a instabilidade e, claro, algumas das ameaças terroristas no continente, mas estes três países contribuem grandemente para a estabilidade regional. De igual forma, estes países beneficiam de uma liderança dinâmica. Em cada um destes países, podemos apontar exemplos em que os líderes em questão têm obtido resultados francamente positivos. Como podem ver, entre os países temos um francófono, um lusófono e, se podemos atribuir uma língua à Etiópia que não seja o amárico ou o oromo ou outra língua falada na Etiópia, esta língua seria o inglês, que é a língua usada no mundo do trabalho ali. E claro, obviamente, na Etiópia o Secretário dialogará com a União Africana. Se podemos dizer algo sobre Adis Abeba, é que além de ser a capital da Etiópia, é também em muitos aspetos a capital de África.

Então, desta forma termino esta minha intervenção inicial e podemos falar mais detalhadamente sobre qualquer um dos países específicos, propósitos, temas comuns, qualquer uma destas temáticas que queiram discutir. Terminado.

TERCEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Muito obrigado. Então o [Segundo Alto Funcionário do Departamento de Estado] teve de sair por um instante, já voltará para responder a questões. Farei um breve resumo sobre a parte da viagem ao Médio Oriente até ele voltar.

Então, na última etapa da viagem do Secretário Pompeo, ele viajará até à Arábia Saudita e Omã. Em Ríade, encontrar-se-á com a alta liderança saudita para discutir assuntos bilaterais e regionais de interesse comum. Falarão do regime iraniano e da sua contínua influência destabilizadora na região. No que diz respeito ao Iémen, falarão das suas preocupações relativas à escalada de violência no local, da necessidade de retornar a um processo de paz liderado pelas Nações Unidas e das preocupações humanitárias urgentes em zonas controladas pelos Houthis. Também discutirão direitos humanos e assuntos consulares relativos à Arábia Saudita. O Secretário poderá encontrar-se com a comunidade diplomática e suas famílias em Ríade para lhes agradecer pelo seu serviço.

Por último, o Secretário irá a Muscat, Omã. Transmitirá pessoalmente as suas condolências pela morte do Sultão Qaboos bin Said e encontrar-se-á com o novo sultão, Haitham bin Tarik. Esta é uma oportunidade para que o Secretário saliente a parceria estável dos Estados Unidos com Omã, e o nosso desejo de que a forte cooperação bilateral prossiga. O Secretário também se encontrará com a comunidade da embaixada americana em Omã.

E, como disse no início da chamada, se têm questões, podem premir 1 e depois 0 para entrar na fila.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Sim, Como sabem, um dos principais temas é a presença da China em África, e já tivémos várias conversas sobre isso. Com esta viagem, o Secretário vai realmente promover o envolvimento dos E.U. com estes países africanos e o porquê de os E.U. serem um parceiro fenomenal para África.

Especificamente em relação a Angola, em primeiro lugar, queremos dar os parabéns ao Presidente Lourenço pelas suas reformas económicas e políticas, pelos seus tremendos esforços anti-corrupção e pela sua fortíssima liderança regional. Se se lembrarem bem, quando Tshisekedi foi eleito presidente do Congo, RDC, a sua primeira viagem foi para se encontrar com o Presidente Lourenço em Angola, e o Presidente Lourenço conseguiu grandes, grandes feitos no seu tempo de mandato.

E definitivamente, queremos expandir os nossos laços económicos com Angola. Angola é muito promissora em diversas áreas e, mais uma vez, como todos sabem, no que toca o departamento de assuntos africanos, o nosso objetivo número um é aumentar drasticamente o comércio e investimentos dos E.U., e é para isso que aqui estamos. Terminado.

QUESTÃO:  Olá. Estava a pensar se pode desenvolver – se o Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado pode desenvolver mais sobre a agenda do Secretário no Senegal, e por que motivo lá vai, o que espera alcançar com o seu encontro com Macky Sall.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Claro, sem problema. Bem, como devem saber, os Estados Unidos – este ano, cumprimos 60 anos de relações com o Senegal. Partilhamos valores democráticos muito fortes, Antevemos tremendas oportunidades económicas bilaterais. O Senegal é um parceiro extremamente forte a nível da segurança para os Estados Unidos. Especialmente com os graves problemas de estabilidade, terrorismo e conflitos existentes naquela região, o Senegal é um verdadeiro bastião. É um dos estados que exporta estabilidade em vez de instabilidade. E também a sociedade senegalesa é muito tolerante. Então, em muitos aspetos, o Senegal é um exemplo para, eu diria, todo o continente, e queremos aprofundar a nossa parceria com o Senegal.

Se olhar para o mapa de África e para o da América do Norte, Dakar é um dos pontos mais próximos, e os  senegaleses gostariam muito de tirar vantagem disso. No Senegal, além do mais, obviamente, encontrando-se com agentes governamentais senegaleses – e este é o padrão para cada um destes três países. Além do encontro com os agentes governamentais senegaleses, o Secretário econtrar-se-á com líderes empresariais, mais uma vez, para discutir o ambiente de negócios, expansão de comércio e investimento, e como sempre com os funcionários da embaixada dos E.U., de forma a agradecer o excelente trabalho que realizam, com a YALI, ex-bolseiros da Jovens Líderes Africanos, o foco no empoderamento das mulheres, e também estará num evento de imprensa. Terminado.

MODERADOR:  Muito bem, próxima questão. Vamos falar com Shaun Tandon da AFP.

QUESTÃO:  A minha questão é também para o Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado. Estava a pensar se pode falar um pouco mais acerca dos aspetos de segurança em África. Quero dizer, tem-se falado, como sabe, no Pentágono de uma redução da presença militar dos E.U. em África. Haverá alguma mensagem no sentido de os africanos fazerem mais por si mesmos ou mais sobre  cooperação da frente de segurança? Alguma conversa sobre o que fazer no Sahel?

E, se me é permitido adicionar a passagem pela Etiópia, quanto, se algo de todo, se falará da Grande Barragem do Renascimento Etíope? Com as conversações aqui em Washington, há um esforço – é esta uma oportunidade para que o Secretário pressione a finalização da Barragem, ou acha que esse assunto não vai ser abordado? Obrigado.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Relativamente à segunda questão, esperemos, a situação está próxima da solução, com conversações aqui em Washington, então veremos qual o estado das coisas quando o Secretário lá chegar. Quero dizer, o que posso afirmar é que temos dois grandes amigos envolvidos nesse assunto. Os Estados Unidos desejam que se eles se entendam. E agora, cada vez mais um terceiro participante é igualmente um amigo dos E.U., com as mudanças ocorridas no Sudão, então, esperemos – vamos cruzar os dedos e permanecer otimistas.

Em relação ao aspeto da segurança, todos os três – como disse, todos estes três países têm papéis-chave, pois são parceiros de segurança muito fortes, para começar, ou estão envolvidos na promoção da estabilidade e na exportação de estabilidade nas suas regiões. Especificamente sobre o Sahel, como todos sabem, está a decorrer uma avaliação da situação, e qualquer informação relativa a essa avaliação diz respeito ao Departamento de Defesa. Mas posso dizer-vos que do ponto de vista do Departamento de Estado dos E.U., uma quantidade imensa dos programas que conduzimos no Sahel são de facto pagos pelo fundos do  Departamento de Estado dos E.U. Definitivamente temos intenções de prosseguir com esses programas. As nossas embaixadas estão bastante energizadas e envolvidas diplomaticamente.

E penso que alguns de vós sabem, o Subsecretário de Estado para os Assuntos Políticos, o Embaixador David Hale está presentemente no Sahel, visitando vários estados, tendo encontros com alguns dos líderes regionais. Então estamos muito focados no Sahel. Estamos muito focados na paz e estabilidade em África, e o nosso nível de energia continuará a ser muito elevado. Terminado.

QUESTÃO:  Olá a todos. Primeiro Alto Funcionário do Departamento de Estado, não falou do Sudão do Sul, então pergunto se enquanto o Secretário estiver em Adis, que tem sido um local onde se tem falado de negociações de paz e encontros, pergunto até que ponto é que este tema vai ser abordado. Mais concretamente, houve alguma mudança neste processo desde que os E.U. nomearam um novo enviado e desde que as sanções foram aplicadas no mês passado? Obrigado.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Como provavelmente já sabem, eu estive no Sudão há apenas, acho, 10 dias. Sim, o Embaixador Symington está a lidar diretamente com essa região. Acho que esteve em Adis ontem, enviou alguns relatórios interessantes. Vejamos no que dá. Temos em mente a data limite de 22 de fevereiro, mantenhamos os dedos cruzados sobre a formação do governo transitório de união, que toda a gente deseja.

No que diz respeito a como decorrerão as conversações do Secretário, obviamente, quando ele estiver na Etiópia e se encontrar com altos líderes, discutirão assuntos regionais. Mas esta viagem foca-se mais na expansão de laços dos E.U., oportunidades, oportunidades económicas. Então a questão do Sudão do Sul não é o tema principal porque, como sabem, lidar com este assunto é algo que necessita de atenção constante, e esta é uma visita de espectro muito mais amplo. Terminado.

QUESTÃO:  Olá. Esta é para o Primeiro Alto Funcionário também. Tenho duas perguntas sobre o Sudão.

Primeira, o Secretário falou recentemente com o General Burhan e convidou-o para vir a Washington. Contudo, a declaração oficial não mencionava a transição democrática do país. Então questiono-me se pode reiterar o apoio da administração a essa transição, ao Ministro Hamdok, e se isso será incluído nesta viagem também.

Mas especificamente sobre o convite, não será uma mensagem errada convidar o General Burhan após o Secretário não ter se encontrado com o primeiro ministro aqui em Washington em dezembro?

E finalmente, o General Burhan disse que o seu recente encontro com o Primeiro Ministro israelita Netanyahu ajudará o Sudão a sair da lista dos estados que patrocinam o terrorismo. Penso se isso será verdade e se essa foi a mensagem que o Secretário lhes transmitiu.

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DE DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Sobre a retirada da lista, obviamente, esse é todo um processo. Que se resolverá por si mesmo. Como já disse várias vezes, não é simples como mexer num interruptor. É todo um processo. Toda a gente quer avançar o mais rapidamente possível. E é tudo o que direi sobre esse assunto.

Relativamente aos encontros, obviamente, ainda haverá alguns outros encontros no futuro. Encontros no passado não são limitadores por si mesmos, então fiquem atentos em relação aos  potenciais futuros encontros.

Com certeza, os Estados Unidos da América continuam a apoiar o processo de transição e o  governo transitório liderado por civis. Atualmente o governo é composto por duas partes. Estive também recentemente em Cartum. Estive lá, creio, há dez dias. E um dos aspetos da visita que para mim foi muito otimista foi, ao contrário do que lá vi no ano passado, em que havia uma significativa desconfiança entre as diferentes partes do governo, desta vez senti de facto que tanto o Primeiro Ministro Hamdok como o General Burhan viam a sua relação como uma parceria em que ambos desempenham papéis-chave.

Então, para responder à sua pergunta, sim, os Estados Unidos da América continuam a apoiar fortemente a transição e a apoiar a parte civil do governo. Ambas as partes têm diferentes responsabilidades. No que toca aos encontros, veremos o que sucede no futuro. Terminado.

QUESTÃO:  No lado de África, quero dizer, dado que vimos as restrições de viagens da administração Trump, está preocupado que isso possa, digamos, perturbar as coisas, sobretudo com países como o Sudão?

E na viagem à Arábia Saudita, o Ministro dos Negócios Estrangeiros saudita vai encontrar-se com Pompeo  na – com o Secretário Pompeo na quarta-feira aqui em DC. Isto também está ligado ao Iémen? Que espera conseguir sobre o Iémen?

PRIMEIRO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Sim, da minha parte, no que toca aos limites do visto, não creio, porque, por exemplo, acabámos de ter o diálogo binacional com a Nigéria na semana passada, e o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria esteve cá, muito envolvido nas questões do visto. Todos concordámos  no que respeita aos motivos que nos levaram a fazer aquilo e ao que precisa ser feito para ultrapassar a questão, e todos concordámos que a Nigéria tem – por exemplo, já tinha feito muito em relação a isso. E todos os outros países envolvidos, eles sabem quais são as suas deficiências, e o que temos de fazer para haver mais segurança na forma como lidam com os passaportes, e, esperemos, que possam resolver tudo rapidamente. Terminado.

SEGUNDO ALTO FUNCIONÁRIO DO DEPARTAMENTO DE ESTADO:  Relativamente à questão do Iémen, o Ministro dos Negócios Estrangeiros sauditas estará aqui na quarta-feira, vai encontrar-se com o Secretário. O Iémen será parte importante das suas conversações, tal como o será nas conversações que o Secretário levará a cabo em Ríade. Tem havido esforços de redução da escalada de violência aqui desde há umas duas semanas. Foram submetidos a dura prova por novas lutas no terreno, no território do Iémen. Estamos muito interessados em poder ver uma redução dos combates a um nível que permita que a ajuda humanitária continue a poder circular livremente pelo país, apesar de algumas limitações muito agressivas e à obstrução que os Houthis têm feito aos grupos de ajuda atualmente. Então – e que o possamos passar a algo real – pretendemos um diálogo político genuíno.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.