rss

Estados Unidos Lideram a Resposta de Assistência Médica e Humanitária na Pandemia de COVID-19

English English, العربية العربية, Français Français, हिन्दी हिन्दी, Русский Русский, Español Español, اردو اردو

Departamento de Estado dos EUA
Informativo
Gabinete da Porta-Voz
27 de março de 2020

O governo dos EUA está liderando a resposta de assistência humanitária e médica do mundo à pandemia de COVID-19. Estamos mobilizando todos os recursos necessários para responder rapidamente, tanto dentro de casa quanto no exterior. Como parte dessa resposta abrangente e generosa dos EUA, o Departamento de Estado e a USAID estão fornecendo um investimento inicial de quase US$ 274 milhões em assistências humanitária e médica emergenciais para ajudar os países necessitados, além do financiamento que já fornecemos a organizações multilaterais, como a Organização Mundial da Saúde e UNICEF.

Até agora, esse total inclui quase US$ 100 milhões em assistência médica emergencial do Fundo Global de Reserva para Emergências em Saúde da USAID e US$ 110 milhões em assistência humanitária da conta Internacional de Assistência a Desastres da USAID a serem fornecidos a até 64 dos países em maior risco durante a pandemia global. Por meio do Departamento de População, Refugiados e Migração do Departamento de Estado, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) receberá US$ 64 milhões em assistência humanitária para ajudar alguns dos povos mais vulneráveis ​​do mundo, que já vivem em situações de crise humanitária, a enfrentar as ameaças apresentadas pela COVID-19.

As agências governamentais dos EUA estão trabalhando juntas para priorizar a assistência externa com base na coordenação e no potencial de impacto. Com os novos fundos anunciados hoje, os Estados Unidos estão fornecendo as seguintes assistências específicas:

África:

  • Angola: US$ 570.000 em assistência médica ajudarão a fornecer água, saneamento e comunicação de riscos, além de prevenção e controle de infecções nos principais centros de saúde de Angola. Esta assistência é um adicional aos investimentos de longo prazo dos EUA em Angola, incluindo US$ 613 milhões em assistência à saúde e US$ 1,48 bilhão em investimentos totais nos últimos 20 anos.
  • Burkina Faso: Aproximadamente US$ 2,1 milhões em financiamento para saúde e assistência humanitária serão destinados à comunicação de riscos, atividades de água e saneamento, prevenção e controle de infecções, mensagens de saúde pública e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram mais de US$ 222 milhões em saúde e mais de US$ 2,4 bilhões no total em Burkina Faso.
  • Camarões: US$ 1,4 milhão em assistência médica ajudará a fornecer controle de infecções nos principais centros de saúde, fortalecerá laboratórios e vigilância, preparará comunidades e fortalecerá as mensagens locais. Essa assistência baseia-se em mais de US$ 390 milhões em assistência médica dos EUA e em mais de US$ 960 milhões em investimentos totais nos últimos 20 anos.
  • Costa do Marfim: US$ 1,6 milhão em assistência médica para ajudar o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram quase US$ 1,2 bilhão na saúde da Costa do Marfim e mais de US$ 2,1 bilhões em desenvolvimento de longo prazo e outras formas de assistência.
  • Etiópia: US$ 1,85 milhão para combater a COVID-19 será destinado à comunicação de riscos, atividades de água e saneamento, prevenção de infecções e coordenação. Essa assistência se une ao investimento de longo prazo dos EUA na Etiópia, incluindo quase US$ 4 bilhões em saúde e mais de US$ 13 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Quênia: US$ 1 milhão em assistência à saúde reforçará a comunicação de riscos, preparará redes de comunicação em saúde e mídias para um possível caso, e ajudará a fornecer mensagens de saúde pública para a mídia, profissionais de saúde e comunidades. Esta assistência específica a COVID-19 é adicional ao investimento de longo prazo dos EUA no Quênia, incluindo US$ 6,7 bilhões em assistência médica e mais de US$ 11,7 bilhões em desenvolvimento e outras formas de assistência nos últimos 20 anos.
  • Moçambique: US$ 2,8 milhões em financiamento emergencial para a saúde ajudarão a fornecer comunicação de riscos, água e saneamento, além de prevenção e controle de infecções nas principais unidades de saúde de Moçambique. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 3,8 bilhões em assistência à saúde e quase US$ 6 bilhões em investimentos totais, incluindo desenvolvimento e outras formas de assistência, nos últimos 20 anos.
  • Nigéria: Mais de US$ 7 milhões em saúde e financiamento humanitário serão direcionados à comunicação de riscos, atividades de água e saneamento, prevenção de infecções e coordenação. Esta assistência une mais de US$ 5,2 bilhões em assistência médica dos EUA e mais de US$ 8,1 bilhões em assistência total à Nigéria nos últimos 20 anos.
  • Ruanda: US$ 1 milhão em assistência médica ajudará nos esforços de vigilância e gerenciamento de casos em resposta à COVID-19. Isso se soma ao investimento de longo prazo dos EUA em Ruanda, incluindo mais de US$ 1,5 bilhão em saúde e mais de US$ 2,6 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Senegal: US$ 1,9 milhão em financiamento da saúde será destinado à comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, mensagens de saúde pública e muito mais. No Senegal, os EUA investiram quase US$ 880 milhões somente em saúde e quase US$ 2,8 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • África do Sul: US$ 2,77 milhões em assistência médica para combater a COVID-19 apoiarão a comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, mensagens de saúde pública e muito mais. Essa assistência é um adicional a quase US$ 6 bilhões investidos em saúde e mais de US$ 8 bilhões em assistência total dos Estados Unidos na África do Sul durante os últimos 20 anos.
  • Tanzânia: US$ 1 milhão em assistência médica ajudará a fornecer comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, mensagens de saúde pública e muito mais. Os Estados Unidos investiram quase US$ 4,9 bilhões somente em saúde e mais de US$ 7,5 bilhões no total na Tanzânia nos últimos 20 anos.
  • Zâmbia: US$ 1,87 milhão em assistência médica serão direcionados à comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, mensagens de saúde pública e muito mais. Esta nova assistência se une a quase US$ 3,9 bilhões em assistência médica dos EUA e quase US$ 4,9 bilhões de assistência total dos EUA à Zâmbia nos últimos 20 anos.
  • Zimbábue: US$ 470.000 em assistência médica ajudarão o governo a preparar laboratórios para testes em larga escala, apoiar atividades de busca de casos de doenças semelhantes à influenza e implementar um plano de emergência de saúde pública para pontos de entrada. Esta assistência entra para a história de investimentos dos EUA no Zimbábue –quase US$ 1,2 bilhão em saúde e um total de quase US$ 3 bilhões nos últimos 20 anos.
  • Além de assistência médica, está sendo fornecido financiamento humanitário para a República Centro-Africana (US$ 3 milhões), República Democrática do Congo (US$ 6 milhões), Somália (US$ 7 milhões), Sudão do Sul (US$ 8 milhões) e Sudão (US$ 8 milhões). Esta assistência fornecerá principalmente apoio e suprimentos relacionados à saúde para reforçar as atividades de água e saneamento. Os Estados Unidos têm uma longa e generosa história de investimentos na saúde e no bem-estar dos cidadãos desses países, e essa assistência humanitária vem além da assistência dos EUA nos últimos 20 anos: US$ 4,5 milhões em saúde e US$ 822,6 milhões no total para a República Centro-Africana; quase US$ 1,6 bilhão em saúde e quase US$ 6,5 bilhões no total para a República Democrática do Congo; quase US$ 30 milhões em saúde e US$ 5,3 bilhões no total para a Somália; mais de US$ 405 milhões em saúde e mais de US $ 6,4 bilhões para o Sudão do Sul; e mais de US$ 3 milhões em saúde e mais de US$ 1,6 bilhão no total para o Sudão.

Europa and Eurasia:

  • Albânia: US$ 700.000 em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram mais de US$ 51,8 milhões em assistência à saúde na Albânia e mais de US$ 693 milhões em assistência total.
  • Armênia: US$ 1,1 milhão em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram quase US$ 106 milhões em assistência médica e US$ 1,57 bilhão no total para a Armênia nos últimos 20 anos.
  • Azerbaijão: US$ 1,7 milhão em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram quase US$ 41 milhões em saúde apenas no Azerbaijão e mais de US$ 890 milhões em assistência total.
  • Bielorrússia: US$ 1,3 milhão em financiamento à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Essa nova assistência vem acompanhada de décadas de investimento dos EUA na Bielorrússia, incluindo quase US$ 1,5 milhão em saúde e mais de US$ 301 milhões em assistência total dos EUA nos últimos 20 anos.
  • Bósnia e Herzegovina: US$ 1,2 milhão em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos na resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram US$ 200.000 em assistência médica e mais de US$ 1,1 bilhão em assistência total à Bósnia e Herzegovina nos últimos 20 anos.
  • Geórgia: US$ 1,1 milhão em financiamento da saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos forneceram quase US$ 139 milhões em assistência médica e mais de US$ 3,6 bilhões no total nos últimos 20 anos.
  • Kosovo: US$ 1,1 milhão em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Essa assistência para combater a COVID-19 é um complemento aos investimentos de longo prazo dos EUA no Kosovo, incluindo mais de US$ 10 milhões em assistência à saúde e quase US$ 773 milhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Moldávia: US$ 1,2 milhão em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, fortalecer a comunicação de riscos e muito mais. Esta assistência ao problema da COVID-19 se junta aos investimentos dos EUA de quase US$ 42 milhões em assistência médica e mais de US$ 1 bilhão em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Macedônia do Norte: US$ 1,1 milhão ajudará a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e prontidão, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram quase US$ 11,5 milhões somente em saúde e mais de US$ 738 milhões em assistência total à Macedônia do Norte.
  • Sérvia: US$ 1,2 milhão em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram quase US$ 5,4 milhões em assistência médica e mais de US$ 1 bilhão em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Ucrânia: mais de US$ 1,2 milhão em assistência humanitária e médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos forneceram investimentos em saúde a longo prazo na Ucrânia nos últimos 20 anos, totalizando quase US$ 362 milhões e um total de quase US$ 5 bilhões no mesmo período.
  • Uzbequistão: Aproximadamente US$ 848.000 em financiamento em saúde serão utilizados para ajudar a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Essa nova assistência vai além dos investimentos de longo prazo nos EUA naquele país: mais de US$ 122 milhões em saúde e mais de US$ 962 milhões em assistência total nos últimos 20 anos.

Ásia:

  • Afeganistão: Aproximadamente US$ 5 milhões em assistência humanitária e médica serão destinados a apoiar a detecção e o tratamento de COVID-19 para pessoas deslocadas internamente. Além disso, os Estados Unidos também redirecionaram US$ 10 milhões em recursos existentes para apoiar o Plano de Resposta de Emergência das Nações Unidas (OMS) para COVID-19. Esse apoio incluirá vigilância, melhorias em laboratório, gerenciamento de casos, prevenção e controle de infecções, envolvimento da comunidade e assistência técnica ao governo do Afeganistão.
  • Bangladesh: US$ 3,4 milhões em assistência médica ajudarão nas atividades de gerenciamento e vigilância de casos. Essa soma se junta a mais de US$ 1 bilhão em assistência médica e US$ 4 bilhões em assistência total dos EUA nos últimos 20 anos.
  • Birmânia: Aproximadamente US$ 3,8 milhões em saúde e financiamento humanitário serão destinados a água e saneamento, gerenciamento de casos de COVID-19, vigilância baseada em eventos, coordenação e muito mais. Esta assistência vem além do investimento de longo prazo dos EUA na Birmânia, incluindo mais de US$ 176 milhões em saúde e mais de US$ 1,3 bilhão em assistência total dos EUA nos últimos 20 anos.
  • Camboja: Aproximadamente US$ 2 milhões em assistência à saúde ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos e apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação e muito mais. Os Estados Unidos investiram a longo prazo no Camboja, fornecendo mais de US$ 730 milhões em saúde e mais de US$ 1,6 bilhão em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Índia: US$ 2,9 milhões ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação e muito mais. Esse valor se junta a mais de US$ 1,4 bilhão em assistência à saúde e US$ 2,8 bilhões em assistência total dos EUA à Índia nos últimos 20 anos.
  • Indonésia: US$ 2,3 milhões em assistência ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 1 bilhão em saúde e mais de US$ 5 bilhões em assistência total na Indonésia nos últimos 20 anos.
  • Cazaquistão: mais de US$ 800.000 em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Esta nova assistência se junta aos investimentos dos EUA de mais de US$ 86 milhões em saúde e mais de US$ 2 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Quirguistão: Aproximadamente US$ 883.000 em assistência à saúde ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 120 milhões em assistência médica e quase US$ 1,2 bilhão em assistência total ao Quirguistão nos últimos 20 anos.
  • Laos: quase US$ 2 milhões em assistência médica ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a vigilância de detecção de casos e eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e prontidão e muito mais. Essa assistência soma-se ao investimento dos EUA no Laos ao longo do tempo, incluindo quase US$ 92 milhões em saúde e mais de US$ 348 milhões no total nos últimos 20 anos.
  • Mongólia: Aproximadamente US$ 1,2 milhão em assistência à saúde ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e prontidão e muito mais. Os Estados Unidos investiram quase US$ 106 milhões em saúde e mais de US$ 1 bilhão em assistência total à Mongólia nos últimos 20 anos.
  • Nepal: US$ 1,8 milhão em assistência médica ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a vigilância de detecção de casos e eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação e muito mais. Nos últimos 20 anos, os investimentos dos EUA no Nepal incluem mais de US$ 603 milhões em saúde, além de mais de US$ 2 bilhões em assistência total.
  • Papua Nova Guiné: US$ 1,2 milhão serão destinados para a Papua Nova Guiné para ajudar o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 52 milhões somente na área de saúde da Papua Nova Guiné e quase US$ 90 milhões no total nos últimos 20 anos.
  • Ilhas do Pacífico: US$ 2,3 milhões serão destinados para ajudar os governos a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Na última década, os Estados Unidos investiram mais de US$ 620 milhões em assistência à saúde nas Ilhas do Pacífico. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram mais de US$ 5,21 bilhões em assistência total às Ilhas do Pacífico.
  • Paquistão: US$ 1 milhão em financiamento de saúde ajudarão o Paquistão a fortalecer o monitoramento e a preparar melhor as comunidades para identificar possíveis surtos. Para reforçar o plano de ação nacional COVID-19 daquele país, os Estados Unidos também redirecionaram mais de US$ 1 milhão em financiamento existente para treinamento de profissionais de saúde e outras necessidades urgentes. O investimento de longo prazo no Paquistão inclui mais de US$ 1,1 bilhão apenas em saúde e mais de US$ 18,4 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Filipinas: quase US$ 4 milhões em assistência médica ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 582 milhões apenas em saúde nas Filipinas e quase US$ 4,5 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Sri Lanka: US$ 1,3 milhão ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Nos últimos 20 anos, o investimento dos EUA no Sri Lanka incluiu mais de US$ 26 milhões em saúde e mais de US$ 1 bilhão em assistência total.
  • Tajiquistão: Aproximadamente US$ 866.000 em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância baseada em eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Essa assistência soma-se aos investimentos dos EUA de quase US$ 125 milhões em saúde e mais de US $ 1 bilhão em assistência total nos últimos 20 anos no país.
  • Tailândia: Aproximadamente US$ 1,2 milhão em assistência médica ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos na resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Esta nova assistência baseia-se na assistência de longo prazo dos EUA na Tailândia, o que inclui mais de US$ 213 milhões em saúde e mais de US$ 1 bilhão em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Turquemenistão: cerca de US$ 920.000 em assistência médica foram disponibilizados para ajudar a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e prontidão, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 21,5 milhões em saúde e mais de US$ 207 milhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Timor-Leste: US$ 1,1 milhão ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Os Estados Unidos investiram quase US$ 70 milhões em assistência médica e mais de US$ 542 milhões em assistência total a Timor-Leste nos últimos 20 anos.
  • Vietnã: quase US$ 3 milhões em assistência médica ajudarão o governo a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e prontidão, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos investiram mais de US$ 706 milhões em assistência médica e mais de US$ 1,8 bilhão em assistência total ao Vietnã.
  • Esforços regionais na Ásia: US$ 1,6 milhão em assistência à saúde ajudará os governos em toda a região a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções e muito mais. Os Estados Unidos forneceram mais de US$ 226 milhões em assistência à saúde regionalmente, além de assistência médica para países individuais da região e, no total, mais de US$ 3 bilhões em assistência ao desenvolvimento e outros tipos de assistência nos últimos 20 anos.

América Latina e Caribe:

  • Jamaica: US$ 700.000 em financiamento de saúde apoiarão os esforços de comunicação de risco, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, gerenciamento de casos de COVID-19, fortalecimento a laboratórios e monitoramento à propagação do vírus. Essa assistência soma-se aos investimentos dos EUA na Jamaica de quase US$ 87 milhões em saúde e de quase US$ 619 milhões total nos últimos 20 anos.
  • Paraguai: US$ 1,3 milhão em assistência médica apoiarão os esforços de comunicação de riscos, prevenção e controle de infecções, administração de casos de COVID-19, fortalecimento de laboratórios e vigilância da propagação do vírus. O investimento dos EUA no Paraguai é de longo prazo e inclui mais de US$ 42 milhões em saúde e mais de US$ 456 milhões no total nos últimos 20 anos.  
  • Haiti: US$ 2,2 milhões em assistência médica ajudarão o governo haitiano a ampliar seus esforços de comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, gerenciamento de casos de COVID-19, fortalecimento de laboratórios e muito mais. Os Estados Unidos investiram US$ 1,8 bilhão em saúde no Haiti e quase US$ 6,7 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Caribe: US$ 1,7 milhão ajudarão os governos do Caribe Oriental a ampliar seus esforços de comunicação de riscos, água e saneamento, prevenção e controle de infecções, gerenciamento de casos de COVID-19, fortalecimento de laboratórios e monitoramento da propagação do vírus. O montante se junta ao investimento estratégico dos EUA na região, incluindo mais de US$ 236 milhões em saúde e mais de US$ 840 milhões no total nos últimos 20 anos.
  • Venezuela: (US$ 9 milhões) para monitorar a propagação do vírus, fornecer suprimentos de água e saneamento, gerenciar casos de COVID-19 e muito mais. Na Colômbia, os Estados Unidos investiram aproximadamente US$ 32,5 milhões em saúde nos últimos 20 anos e quase US$ 12 bilhões em assistência total no mesmo período. Na Venezuela, os EUA investiram mais de US$ 1,3 milhão em assistência direta à saúde e mais de US$ 278 milhões em assistência total de longo prazo nos últimos 20 anos.

Oriente Médio e Norte da África:

  • Marrocos: US$ 670.000 em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, reforçar a comunicação de riscos e muito mais. Essa assistência soma-se aos investimentos de longo prazo dos EUA no Marrocos, incluindo US$ 64,5 milhões em saúde e mais de US$ 2,6 bilhões em assistência total nos últimos 20 anos.
  • Tunísia: US$ 700.000 em assistência médica ajudarão a preparar sistemas de laboratório, ativar a detecção de casos e a vigilância de eventos, apoiar especialistas técnicos em resposta e preparação, fortalecer a comunicação de riscos e muito mais. Os Estados Unidos investiram mais de US$ 7 milhões diretamente na assistência à saúde e mais de US$ 1,3 bilhão no total da assistência dos EUA à Tunísia nos últimos 20 anos.
  • Iraque: mais de US$ 15,5 milhões em assistência humanitária e de saúde ajudarão a preparar laboratórios, implementar um plano de emergência de saúde pública para pontos de entrada, ativar a investigação de casos e vigilância baseada em eventos para doenças semelhantes à influenza e muito mais. Esta nova assistência soma-se aos investimentos de longo prazo no Iraque, incluindo quase US$ 4 bilhões em saúde e mais de US$ 70 bilhões em assistência total dos EUA nos últimos 20 anos.
  • Também está sendo prestada assistência humanitária à Líbia (US$ 6 milhões) e à Síria (US$ 16,8 milhões). Essa assistência se une a décadas de investimentos nos EUA na saúde e no desenvolvimento geral dos dois países. Os EUA investiram mais de US$ 715 milhões em assistência total à Líbia nos últimos 20 anos e mais de US$ 6,1 bilhões em assistência total à Síria no mesmo período.

Organizações e Agências da ONU:

  • US$ 24,3 milhões em programação global e regional através de organizações internacionais como a OMS e a UNICEF.
  • US$ 64 milhões para ACNUR usar no Plano Global de Resposta Humanitária da ONU para Lidar com os Desafios da Pandemia do COVID-19 entre Refugiados, Deslocados Internos e Comunidades de Acolhimento em países que já enfrentam crises humanitárias complexas na África, Ásia, Oriente Médio e América do Sul.

Os investimentos dos EUA no âmbito da Agenda Global de Segurança em Saúde, incluindo os que contribuíram para essa resposta à crise global, são projetados para proteger o público americano, ajudando a minimizar a propagação de doenças nos países afetados e a melhorar as respostas locais e globais a surtos de patógenos infecciosos.

Esta nova assistência soma-se ao histórico de liderança dos Estados Unidos em saúde global e assistência humanitária. Essa assistência faz parte de um pacote de resposta global maior do USG em vários departamentos e agências, incluindo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Desde 2009, os contribuintes americanos financiaram generosamente mais de US$ 100 bilhões em assistência médica e quase US$ 70 bilhões em assistência humanitária em todo o mundo. Nosso país continua sendo o maior doador de assistências humanitária e médica, tanto para os esforços de desenvolvimento a longo prazo quanto para o fortalecimento de capacidades com parceiros, e para os esforços de resposta a emergências diante de crises recorrentes. Esse dinheiro salva vidas, protege os povos mais vulneráveis ​​a doenças, constrói instituições de saúde e promove a estabilidade de comunidades e nações.

Para obter mais informações sobre o financiamento holístico do governo dos EUA em resposta a esta crise, entre em contato pelo e-mail [email protected].

Para detalhes sobre atividades específicas de resposta no país, entre em contato com a USAID pelo e-mail [email protected].

Para obter detalhes sobre a contribuição de assistência humanitária à ACNUR, entre em contato com o Departamento de População, Refugiados e Migração do Departamento de Estado pelo e-mail [email protected].

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.