rss

Secretário de Estado, Michael R. Pompeo Coletiva de Imprensa

العربية العربية, English English, Español Español, Français Français, Русский Русский, اردو اردو

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete da Porta-Voz
Para divulgação imediata
Pronunciamento para a imprensa
29 de abril de 2020

Sala de Imprensa
Washington, D.C.

 

SECRETÁRIO POMPEO: Bem, bom dia a todos. Como vocês estão hoje? Vocês estão todos seguros, saudáveis, bem? Quero enviar minhas condolências antes de mais nada aos americanos e aos povos de todo o mundo que sofreram com a perda de entes queridos por causa desse vírus horrível.

Muitos americanos também estão sofrendo por causa dos desafios econômicos. Eles querem voltar ao trabalho. Eu estava conversando com alguns amigos no Kansas esta semana. Todos estão ansiosos para voltar às vidas que levavam em novembro e dezembro e estou confiante de que poderemos recuperá-las o mais rápido possível.

Quero falar sobre o que estamos fazendo aqui no Departamento de Estado. Estamos trabalhando, lutando arduamente contra o surto desse vírus que se originou em Wuhan, na China, e estamos trabalhando dia e noite continuar trazendo nossos cidadãos de volta para casa. A contagem agora está em 72.000 americanos que trouxemos de 129 países para casa, de volta para suas vidas e suas famílias.

Mas, enquanto combatemos a pandemia, o governo – o presidente Trump quer garantir que executemos nossa missão da política externa. Estamos muito focados nisso, mesmo quando confrontamos o desafio do vírus. É sobre isso que quero conversar com vocês hoje.

Primeiro, vou falar sobre nossa ajuda para estabilizar alguns dos lugares mais instáveis ​​do mundo. Na Venezuela, tenho o prazer de informar que o esforço multilateral para restaurar a democracia continua a ganhar força. Pedi à minha equipe para seguir com nossos planos de reabrir a Embaixada dos EUA em Caracas para que possamos estar prontos. Assim que Maduro se afastar, estou confiante de que vamos erguer a bandeira novamente em Caracas.

Também quero atualizar o mundo sobre a conexão do regime de Maduro com a República Islâmica do Irã. Nos últimos dias, várias aeronaves pertencentes à Mahan Air transferiram apoio desconhecido ao regime de Maduro. Tudo farinha do mesmo saco. Esta é a mesma companhia aérea terrorista que o Irã usa para transportar armas e combatentes pelo Oriente Médio. Esses voos devem parar e os países devem fazer sua parte para negar sobrevoos, assim como muitos já negaram o direito de aterrissagem a essa companhia aérea sancionada.

Ainda focando no Iêmen. Louvo a Arábia Saudita por estender seu cessar-fogo unilateral agora por um mês.

O Reino da Arábia Saudita e o governo do Iêmen responderam ao chamado do enviado especial para deporem suas armas e pararem de lutar, para se concentrarem em defender a pandemia – em derrotar a pandemia; pedirem aos houthis apoiados pelo Irã que façam o mesmo. Isso é o que é necessário.

Todas as partes devem facilitar o acesso humanitário e o governo do Iêmen e as instituições do governo, além de observar a unidade e a integridade territorial do Iêmen.

No Iraque, estamos assistindo de perto o primeiro-ministro designado Mustafa Kadhami na terceira semana de tentativas de formar seu governo.

O povo iraquiano precisa e merece um governo que liberte o país da intimidação externa, coloque a prosperidade do povo iraquiano em primeiro lugar e lide com os principais desafios que o Iraque continua a enfrentar. Os líderes iraquianos devem deixar de lado o sistema de cotas sectárias e fazer compromissos que levem à formação do governo para o bem do povo iraquiano e à parceria entre os Estados Unidos e o Iraque.

O governo iraquiano também deve atender ao chamado de muitos elementos da sociedade iraquiana para colocar todos os grupos armados sob controle estatal, e congratulamo-nos com as medidas que foram tomadas nos últimos dias nessa direção.

Passando para uma segunda categoria, gostaria de falar sobre nossa missão de proteger os direitos humanos e a liberdade em todo o mundo.

Eu falei um pouco sobre isso na semana passada. Continuamos monitorando com mais preocupação os crescentes esforços de Pequim para interferir na governança de Hong Kong. A erosão das liberdades de Hong Kong é inconsistente com as promessas que o próprio Partido Comunista Chinês fez sob o “Um País, Dois Sistemas”. Qualquer esforço para impor uma legislação draconiana de segurança nacional em Hong Kong seria inconsistente com as promessas de Pequim e impactaria os interesses americanos lá.

Voltando ao nosso hemisfério, notamos como o regime de Havana aproveitou a pandemia do COVID-19 para continuar sua exploração dos trabalhadores médicos cubanos. Aplaudimos os líderes no Brasil, Equador, Bolívia e outros países que se recusaram a fechar os olhos para esses abusos do regime cubano, e pedimos a todos os países que façam o mesmo, incluindo locais como África do Sul e Catar.

Agora devemos proteger nossos trabalhadores médicos mais do que nunca. Os governos que aceitam médicos cubanos devem pagá-los diretamente. Caso contrário, quando pagam o regime, estão ajudando o governo cubano a lucrar com o tráfico de pessoas.

Em uma terceira linha de esforços, continuamos a defender os interesses americanos em domínios de importância crescente.

Tenho o prazer de anunciar que vamos reabrir nosso consulado em Nuuk, na Groenlândia, neste verão pela primeira vez desde 1953. Essa reabertura aumentará a prosperidade e a segurança compartilhadas de nossos amigos na Groenlândia e na Dinamarca e fortalecerá nossa parceria com nossos aliados do Ártico. É uma declaração do compromisso da América com o Ártico, pois os países não-árticos buscam explorar a região para seus próprios interesses – eu avisei no Conselho do Ártico, no ano passado.

Mencionei também na semana passada que estamos em andamento com a implementação das disposições da NDAA de 2019 para o 5G Clean Path (Caminho Limpo). Eu levanto essa questão novamente do Caminho Limpo para que os americanos saibam que, assim como o governo Trump tomou medidas sem precedentes para defender nossas fronteiras físicas, também estamos defendendo os Estados Unidos nas fronteiras cibernéticas.

Em poucas palavras, nas próximas redes 5G, o tráfego de dados móveis que entrar nos sistemas diplomáticos americanos estará sujeito a novos e rigorosos requisitos se houver transitado por equipamentos da Huawei. O objetivo é que fornecedores de TI não confiáveis ​​não tenham acesso aos sistemas do Departamento de Estado dos EUA. Seguiremos a lei para garantir que tenhamos um caminho limpo para todo o tráfego da rede 5G entrando em todas as nossas instalações, e ponto final. Continuaremos fazendo tudo o que pudermos para manter nossos dados críticos e nossas redes a salvo do Partido Comunista Chinês.

Finalmente, antes de receber algumas perguntas, uma atualização sobre a ajuda humanitária e de saúde para os países que estão trabalhando para combater o vírus em seus territórios. Nossa equipe analisou recentemente alguns dados da Kaiser Family Foundation e de uma fundação filantrópica chamada Candid.

Eles descobriram que os americanos dedicaram quase US$ 6,5 bilhões em contribuições governamentais e não-governamentais para ajudar os países a combater o COVID-19 – US$ 6,5 bilhões. Essa é de longe a maior colaboração total de um país no mundo e mais de 12 vezes as contribuições combinadas da China.

Estou especialmente orgulhoso do trabalho que fizemos na região Indo-Pacífica. O governo dos Estados Unidos forneceu mais de US$ 32 milhões em financiamento para apoiar a resposta ao COVID-19 nos países das ilhas do Pacífico. E estamos trabalhando com o governo birmanês, as Nações Unidas, ONGs e outras pessoas para impedir a propagação do COVID-19 na Birmânia, inclusive entre populações vulneráveis. E estamos trabalhando com nossos amigos na Austrália, Índia, Japão, Nova Zelândia, Coreia do Sul e Vietnã para compartilhar informações e práticas recomendadas à medida que começamos a avançar a economia global.

Nossas conversas certamente envolvem as cadeias de suprimentos globais, como mantê-las funcionando sem problemas, como recuperar toda a economia e como podemos reestruturar essas cadeias de suprimentos para impedir que algo assim aconteça novamente. Um exemplo de nosso trabalho conjunto é com a Índia. Eles suspenderam as proibições de exportação de suprimentos médicos críticos, incluindo produtos farmacêuticos usados ​​para tratar alguns pacientes com COVID-19.

E, alguns dias atrás, conversei com David Beasley, do Banco Mundial de Alimentos [i]. Ele é diretor executivo. Ele me lembrou que o povo americano, em sua generosidade incomparável, fornece 42% dos recursos anuais do Programa Mundial de Alimentos, que alimentam quase 100 milhões de pessoas em todo o mundo. Continuaremos ajudando a atender às necessidades alimentares do mundo, já que o surto de COVID-19 interrompe as cadeias de suprimento globais em todo o mundo.

Uma mensagem que eu gostaria de dizer e repetir hoje: se você estiver detendo indevidamente americanos durante esse período, e eles ficarem infectados e morrerem de coronavírus, responsabilizaremos estritamente o seu governo. Todos os americanos detidos injustamente devem ser libertados imediatamente.

Morgan, agora ficarei contente em responder algumas perguntas.


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.