rss

Secretário de Estado, Michael R. Pompeo, Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, Secretário de Defesa, Mark Esper, Secretário de Comércio, Wilbur Ross, Representante dos EUA nas ONU, Kelly Craft, e Assessor de Segurança Nacional, Robert O’Brien, em conferência de imprensa sobre o restabelecimento de sanções contra o Irã

English English, Español Español, العربية العربية, Français Français, हिन्दी हिन्दी, Русский Русский, اردو اردو

Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete da Porta-Voz
Para Divulgação Imediata
Declarações para a Imprensa

21 de setembro de 2020
Ben Franklin Room
Washington, DC

 

SECRETÁRIO POMPEO: Bom dia a todos. Quero começar agradecendo aos secretários Mnuchin, Esper e Ross, à embaixadora Craft, e ao embaixador O’Brien pela liderança e por virem ao Departamento de Estado nesta ocasião tão importante.  

Estive na Casa Branca na semana passada para os Acordos de Abraão, um grande passo em direção à paz no Oriente Médio. E hoje tenho o orgulho de anunciar que o governo Trump está tomando mais medidas para promover esse mesmo objetivo e proteger o povo americano. 

No fim de semana, os EUA se esforçaram para restabelecer virtualmente todas as sanções da ONU contra a República Islâmica do Irã que tinham sido suspensas, inclusive o embargo de armas, de acordo com a Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU. O governo Trump sempre foi honesto sobre o que o regime iraniano realmente é: radical, revolucionário e o principal patrocinador mundial do terrorismo e do anti-semitismo.

O presidente Trump entendeu que o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA) foi um fracasso abjeto. O plano não trouxe o Irã para a “comunidade das nações” nem bloqueou o caminho de Teerã rumo a uma arma nuclear. 

Em vez disso, o plano foi um exercício de apaziguamento. Deu bilhões de dólares ao regime e abriu caminho para que o Irã se tornasse o traficante de armas preferido de grupos terroristas e ditadores em todo o mundo em apenas cinco anos. 

Imagine o que o Irã faria se pudesse comprar livremente armas mais avançadas. Não temos a intenção de deixar isso acontecer. 

A ordem executiva do presidente, anunciada hoje, nos dá uma ferramenta nova e poderosa para fazer cumprir o embargo de armas da Organização das Nações Unidas (ONU) e responsabilizar aqueles que procuram escapar das sanções da ONU.

Hoje, tomarei a primeira medida de acordo com esta nova ordem executiva, sancionando o Ministério da Defesa e Logística das Forças Armadas do Irã e a Organização das Indústrias de Defesa do Irã, além de seu diretor. 

Também estamos sancionando o presidente anterior da Venezuela, Nicolas Maduro. Por quase dois anos, funcionários corruptos em Teerã trabalharam com o regime ilegítimo da Venezuela, desrespeitando o embargo de armas da ONU. Nossas ações hoje são um aviso que deve ser ouvido em todo o mundo: Não importa quem você é, se você violar o embargo de armas da ONU ao Irã, você corre o risco de sofrer sanções.   

Também estou anunciando sanções contra Hamid Reza Ghadirian e Ahmad Shiva’i sob uma autoridade existente dos EUA que visa conter proliferadores de armas de destruição em massa. Esses indivíduos são peças fundamentais nas operações de enriquecimento de urânio do Irã. 

Quando lançamos a campanha de pressão máxima, em 2018, sob a liderança do presidente Trump, os críticos disseram que não funcionaria. Eles estavam errados. 

Nossas sanções salvaram inúmeras vidas de muçulmanos, judeus e cristãos ao negar a Teerã o acesso a mais de US$ 70 bilhões que poderiam ter sido destinados ao terror.

Fizemos tudo isso enquanto mantínhamos um canal aberto para a assistência e o comércio humanitários. Como estamos demonstrando hoje, vamos manter a pressão até que o regime iraniano venha à mesa de negociações e aceite um acordo realmente capaz de mudar seu comportamento. O povo americano deve saber que sempre colocaremos nossa segurança em primeiro lugar.   

Passo a palavra para o secretário Mnuchin. Steven. 

SECRETÁRIO MNUCHIN: Obrigado, secretário Pompeo. É um prazer estar aqui com vocês no Departamento de Estado.   

O governo não permitirá que o Irã coloque em risco o resto do mundo com um novo suprimento de mísseis balísticos e armas convencionais. 

Hoje, o Departamento do Tesouro está designando entidades que apoiam os programas de mísseis balísticos e nucleares do Irã e funcionários seniôres que supervisionam o desenvolvimento de mísseis balísticos de energia nuclear do Irã. Vários de nossos alvos hoje são afiliados à Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI, em inglês), que tem controle operacional e regulatório sobre o programa nuclear e é responsável pela pesquisa e desenvolvimento nuclear. Três dos vice-diretores daquela organização foram sancionados hoje, assim como três entidades subordinadas à AEOI que são componentes ativos do programa nuclear civil do Irã.    

O Tesouro também designou vários produtores e fornecedores de nível militar importantes de bens de uso duplo para os programas de mísseis balísticos do Irã. Mammut Industries e Mammut Diesel, juntamente com vários acionistas e funcionários seniôres dessas empresas, estão entre os designados de hoje. 

Também quero destacar as designações de um componente específico do Shahid Hemmat Industrial Group, o principal desenvolvedor iraniano de mísseis de propulsão líquida. Em particular, o Centro de Pesquisa Shahid Haj Ali Movahed, que é responsável pela integração, montagem final, teste de mísseis balísticos de propelente líquido e veículos de lançamento espacial. 

Além disso, quaisquer instituições financeiras que conscientemente facilitem uma transação significativa para esses indivíduos ou entidades podem estar sujeitas às sanções dos EUA.

Este governo usará todas as ferramentas à nossa disposição para impedir que o Irã consiga armas nucleares, mísseis balísticos e armas convencionais, que são utilizados para ameaçar e aterrorizar o resto do mundo.

Secretário Pompeo, peço desculpas por ter que sair, mas obrigado por me incluir.

SECRETÁRIO POMPEO: Obrigado, Steven.

SECRETÁRIO ESPER: Bom dia a todos e obrigado. Na semana passada, o presidente deu um passo histórico em direção a um Oriente Médio pacífico e próspero com a assinatura dos Acordos de Abraão. Hoje, os Estados Unidos estão dando mais um passo importante para proteger o povo americano e impedir a agressão iraniana contra nossas tropas, nossos interesses e nossos aliados e parceiros.   

Nos últimos dois anos, Teerã atacou navios internacionais, infraestrutura regional e forças dos Estados Unidos e de nações parceiras. Isso inclui ataques com mísseis por milícias apoiadas pelo Irã contra bases e militares dos EUA no Iraque. 

Além disso, o Irã violou as resoluções do Conselho de Segurança da ONU por anos ao proliferar armas convencionais avançadas para agentes não-estatais como o Hezbollah e os Houthis, que as usam para ameaçar centros populacionais de civis. É por isso que o Departamento de Defesa tomou medidas decisivas para salvaguardar nossos homens e mulheres militares de coragem, restaurar a dissuasão e salvaguardar as regras e normas internacionais quando se trata de questões como liberdade de comércio e navegação. Estamos prontos para responder à futura agressão iraniana e continuamos comprometidos em fazer nossa parte na campanha de pressão máxima do governo.   

A ordem executiva de hoje interromperá ainda mais os esforços iranianos para importar e proliferar armas convencionais, ajudando a proteger as forças dos EUA, nossos aliados e parceiros e populações civis até que o Irã cumpra as normas internacionais. Incentivamos Teerã a cessar suas atividades malignas em toda a região e a agir como um país normal. Mas também estamos preparados para responder à agressão iraniana. Nossos comandantes têm as autoridades e os recursos necessários para proteger suas tropas e se preparar para quaisquer contingências, e continuamos ombro a ombro com nossos aliados e parceiros para conter o comportamento desestabilizador do Irã. Ao fazer isso, protegemos nosso povo e nossos interesses e mantemos a segurança de nações em toda a região que têm ideias semelhantes.    

Obrigado.

SECRETÁRIO ROSS: Bom dia. Sou grato pelo compromisso do presidente de acabar com os empreendimentos de mísseis balísticos nucleares e de armas convencionais do Irã que ameaçam e aterrorizam o resto do mundo. Hoje, o Departamento de Comércio dos EUA está adicionando cinco cientistas iranianos à lista de entidades para habilitar ou auxiliar o programa de desenvolvimento nuclear iraniano. Os indivíduos adicionados à lista são Ahmad Nozad Gholik, Behnam Pouremadi, Hamid Sepehrian, Mojtaba Farhadi Ganjeh e Sayyed Javad Ahmadi. Pouremadi (inaudível) e Ganjeh estão associados ao laboratório iraniano JHL, a Organização de Energia Atômica do Irã envolvida em atividades nucleares e designada pelo Conselho de Segurança dos Estados Unidos – pelo Conselho de Segurança da ONU na Resolução 1803 sobre o programa nuclear iraniano.         

Pouremadi buscou equipamentos e materiais sensíveis para a AEOI, usando práticas enganosas e obscuras. Ganjeh trabalhou com agentes de compras iranianos no exterior para adquirir itens nucleares secretos, incluindo produtos ocidentais. Ele também viajou para o exterior para treinamento e buscou informações em apoio às questões técnicas da AEOI. Gholik está associado a uma subsidiária da AEOI que implementa vários projetos no campo nuclear. Ele trabalhou com agentes iranianos no exterior para adquirir itens secretos, incluindo aqueles que podem ser usados ​​no reprocessamento de combustível nuclear usado. Ahmadi é um funcionário da AEOI que viajou para o exterior para reuniões relacionadas com armas nucleares.        

Como entidades listadas, essas pessoas estão sujeitas a requisitos de licenciamento adicionais para exportações, reexportações e transferências no país, de acordo com nossos Regulamentos de Administração de Exportação. Esses cinco indivíduos desempenharam um papel crítico no programa de desenvolvimento de armas nucleares do Irã e continuam trabalhando para o regime iraniano. O Irã deve cumprir suas obrigações de salvaguarda nuclear e cooperar imediatamente com a comunidade internacional. O Departamento de Comércio está ao lado do presidente Trump em seu compromisso de impedir o Irã de adquirir uma arma nuclear.    

Sob a liderança do presidente Trump, tenho orgulho de me juntar aos secretários Pompeo e Mnuchin e ao conselheiro de segurança nacional O’Brien e à embaixadora Craft para responsabilizar o Irã e impedir seu progresso na obtenção de uma arma nuclear. Obrigado. 

EMBAIXADORA CRAFT: Bom dia. As ações que estamos anunciando hoje e nosso trabalho no Conselho de Segurança nos últimos três meses foram movidos por um único propósito: a busca pela paz. O que torna a América única é que defendemos o que é certo. Como fizemos no passado, vamos proteger a paz e a segurança em todos os momentos, mesmo se sozinhos. Nós não precisamos de aplausos para validar nossa bússola moral. Não encontramos conforto com base apenas em números, especialmente quando a maioria se encontra na posição desconfortável de patrocinar o terrorismo, o caos e o conflito. Não queremos ser membros desse clube.       

Os Estados Unidos são uma força do bem no mundo. Lideramos a criação do sistema multilateral que conhecemos hoje e continuamos sendo seu maior financiador. Mas, como eu disse várias vezes, quando o sistema falhar, não o financiaremos mais. As falsas esperanças por parte dos membros do Conselho de Segurança da ONU de que o JCPOA poderia conter as ambições nucleares do Irã não isentam aqueles membros de suas obrigações de reimpor sanções de acordo com o processo delineado na Resolução 2231. Agora é nossa expectativa que todos os estados-membros da ONU cumpram suas obrigações legais e imponham sanções ao Irã.    

Como demonstramos hoje, os Estados Unidos farão tudo o que é necessário para garantir que a República Islâmica do Irã, principal país patrocinador do terrorismo, não possa infligir danos ainda maiores ao mundo com armas mais mortais. Estamos fazendo isso pela paz. Estamos fazendo isso pela segurança do povo americano, do povo do Oriente Médio, do povo da Europa e de todo o mundo. Obrigado.   

SR. O’BRIEN: Bom dia. Obrigado, secretário Pompeo, secretário Esper, secretário Ross e embaixadora Craft. Hoje o presidente está tomando medidas decisivas para restringir o acesso do Irã à tecnologia nuclear, tecnologia de mísseis balísticos e armas convencionais. O Conselho de Segurança da ONU infelizmente falhou em sua missão de promover a paz e a segurança internacionais ao não estender o embargo de armas convencionais ao Irã. Ao contrário da ONU, os Estados Unidos não permitirão que o Irã, como importador e exportador de mísseis balísticos e outros sistemas avançados de armas convencionais, coloque o Oriente Médio ou o mundo ainda mais em perigo. Certamente, aquele país tentará se tornar um grande traficante de armas quando o embargo da ONU expirar.      

Nesta manhã, há poucos instantes no Salão Oval, o presidente assinou uma ordem executiva que resultará em severas sanções econômicas para as nações, corporações e indivíduos que contribuem para o fornecimento, a venda ou a transferência de armas convencionais para a República Islâmica do Irã. A ordem do presidente Trump impedirá a exportação de armas convencionais para regimes desonestos pelo Irã. A ordem também proibirá a exportação de armas para o Irã desde países produtores de armas, onde o Irã, por sua vez, as forneceria a terroristas e regimes desonestos. Simplificando, os Estados Unidos não podem ficar de braços cruzados enquanto o Irã desestabiliza a região e outras partes do mundo através da compra e venda de armas convencionais avançadas. O governo Trump também está impondo novas sanções e medidas de controle de exportação a 27 entidades e indivíduos ligados ao programa de armas nucleares do Irã.     

Finalmente, os Estados Unidos restauraram as sanções da ONU anteriormente suspensas contra o Irã. Quando os Estados Unidos assinaram o fracassado acordo nuclear com o Irã, o governo Obama disse ao povo americano que os Estados Unidos sempre teriam o direito de restaurar as sanções da ONU ao Irã, mesmo sem a aprovação de outras nações. Essa disposição foi fundamental para obter a aprovação do JCPOA pelos Estados Unidos. O presidente Trump agora está exercendo nossos direitos para proteger a América e nossos aliados. O regime iraniano mentiu repetidamente sobre seu programa de armas nucleares, seu arquivo e negou o acesso de inspetores internacionais. As ações de hoje enviam uma mensagem clara ao regime iraniano de que tal conduta não será tolerada. Os Estados Unidos também estão enviando uma mensagem inequívoca à comunidade internacional, àqueles que apaziguam e capacitam o Irã, de que eles devem finalmente se afastar das atividades malignas do Irã.       

Em vez de desperdiçar recursos perseguindo uma bomba nuclear ou a hegemonia regional, o regime iraniano deve fornecer ao povo iraniano o que ele deseja e o que ele merece: um Irã próspero e bem-sucedido. Após décadas de divisões e conflitos, um novo amanhecer surgiu no Oriente Médio. Os acordos de Abraão, assinados na Casa Branca na semana passada, representam o mais – um dos passos mais significativos em direção à paz no Oriente Médio em mais de 25 anos. O Irã deve usar este momento da história. Eles deveriam renegar o terror, a hegemonia e a busca por armas nucleares e deixar de lado as velhas queixas. O Irã deve se juntar a seus vizinhos que estão abraçando um futuro melhor baseado no progresso e em interesses e objetivos compartilhados. O presidente deixou claro que, se o Irã estiver disposto a escolher o caminho da paz, os Estados Unidos caminharão ao lado dele. Muito obrigado.       


Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.
Atualizações de E-mail
Para se inscrever para atualizações ou acessar suas preferências de assinante, digite abaixo suas informações de contato.